Regime ditatorial nascente em El Salvador é aliado aceitável para Bolsonaro – 03/10/2021 – Mathias Alencastro


Uma notícia desta semana teria deixado qualquer visitante do século passado embasbacado. A energia geotérmica de um vulcão está sendo utilizada para alimentar os servidores que produzem moeda digital em El Salvador.

Essa combinação futurista de tecnologia e sustentabilidade, ainda em fase experimental, já está na boca do mundo graças à poderosa máquina de propaganda do regime de Nayib Bukele. Ao se tornar o primeiro governante mundial a adotar uma moeda digital, o bitcoin, como moeda corrente, o jovem presidente virou o novo ídolo do universo utópico-libertário dos investidores em criptomoedas.

O problema é que esse espetáculo está saindo caro para a frágil democracia salvadorenha. Eleito em 2019 na esteira populista de Donald Trump e Jair Bolsonaro, Bukele rapidamente tirou a máscara de tecnocrata reformista.

Em maio deste ano, logo depois de conquistar a maioria absoluta no Congresso com o seu partido Novas Ideias, ele realizou a fantasia de Bolsonaro e ordenou a substituição de todos os juízes da Suprema Corte. No começo de setembro, a nova corte aprovou, contra o texto da Constituição, o direito de Bukele concorrer a um segundo mandato em 2024. Os protestos não parecem intimidar o presidente, que recentemente se autoapelidou de “ditador mais cool” nas redes sociais.

A timidez da comunidade internacional contribuiu decisivamente para a consolidação do seu projeto autoritário. O governo de Joe Biden, por exemplo, demorou longos meses para manifestar apreensão com o declínio da democracia em El Salvador.

Os últimos desdobramentos obrigaram Washington a subir o tom e instaurar sanções individualizadas contra os novos juízes da Suprema Corte, incluir o chefe de gabinete do presidente numa lista de políticos envolvidos no narcotráfico, e direcionar a ajuda internacional à sociedade civil em vez de ao governo.

No Brasil, o chanceler Carlos França, que recentemente quebrou a sua promessa de civilizar o corpo diplomático ao aderir à histeria gestual do bolsonarismo durante uma viagem oficial, decidiu manter a aposta no colaboracionismo.

Sob o seu comando, o Itamaraty evita se posicionar sobre a incontestável ruptura constitucional em El Salvador, provavelmente por medo de desagradar o chanceler paralelo Eduardo Bolsonaro, admirador público de Bukele.

França, no entanto, não hesita em elevar o regime salvadorenho a parceiro estratégico na gestão da crise de migrantes haitianos. A ideia de deportar adultos e crianças para um país onde a política de inclusão de refugiados praticamente se resume ao recrutamento forçado pelas gangues locais é de “cair o queixo”, como bem destacou a correspondente da Folha para a América Latina, Sylvia Colombo.

O cinismo é óbvio, mas precisa ser explicitado. Na doutrina Bolsonaro, só um lado do espectro ideológico pode ser denunciado por arroubo autoritário. O regime ditatorial nascente de El Salvador, que exalta o milicianismo digital, é um aliado perfeitamente aceitável para o governo brasileiro.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »
%d blogueiros gostam disto: