Guerra na Ucrânia: Papa critica Putin e diz que estuda ir a Kiev – 02/04/2022 – Mundo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


O papa Francisco, chefe da Igreja Católica, fez neste sábado (1º) sua primeira crítica direta ao presidente russo, Vladimir Putin, ainda que sem citar o nome do mandatário que ordenou a invasão da Ucrânia em 24 de fevereiro. O papa ainda afirmou que considera viajar à capital da Ucrânia, Kiev, em meio à guerra.

“Mais uma vez, um potentado [soberano de um Estado, detentor de muito poder e riqueza], tristemente apanhado em reivindicações anacrônicas de interesses nacionalistas, está provocando e fomentando conflitos, enquanto as pessoas comuns querem construir um futuro”, afirmou, em discurso às autoridades de Malta, onde chegou para uma visita de dois dias.

O papa já havia condenado o que chamou de “agressão injustificada” e denunciou as atrocidades da guerra, mas ainda não havia se referido de forma tão direta a Vladimir Putin.

“Pelo leste da Europa, pela terra onde o sol nasce, as sombras escuras da guerra agora se espalharam. Nós achávamos que invasões a outros países, batalhas selvagens pelas ruas e ameaças atômicas eram lembranças sombrias de um passado distante”, disse ele neste sábado.

“No entanto, os ventos gelados da guerra, que trazem apenas morte, destruição e ódio em seu rastro, varreram poderosamente a vida de muitas pessoas e afetaram a todos nós”, completou.

Mais cedo, respondendo a jornalistas, o papa afirmou que estuda aceitar o convite do presidente ucraniano, Volodimir Zelenski, e viajar a Kiev.

Em vídeo publicado no começo da manhã deste sábado, Zelenski afirmou que tropas russas estão se movendo para a região do Donbass após deixar os arredores da capital.

Na região, a Cruz Vermelha deve tentar mais uma vez retirar civis da cidade de Mariupol neste sábado, após uma operação frustrada na sexta-feira (1º) que precisou ser abortada dada a grave situação dos confrontos na cidade do sul da Ucrânia, que “tornaram impossível prosseguir”.

Sitiada desde os primeiros dias da invasão russa, Mariupol fica na província separatista de Donetsk e é considerada estratégica para bloquear o acesso ucraniano ao mar. É na cidade onde está uma das situações humanitárias mais graves, com dezenas de milhares de pessoas sem acesso a comida e a água. Rússia e Ucrânia concordaram em abrir corredores humanitários para facilitar a retirada de civis, mas se acusam de não respeitar o cessar-fogo que permitira a passagem de moradores.

Neste sábado, a expectativa é levar moradores até Berdiansk, outra cidade portuária ao sul, e de lá eles tomariam ônibus para outras regiões.

Depois de não conseguir tomar o controle de nenhuma grande cidade ucraniana, a Rússia afirmou que mudou o foco da sua “operação militar especial”, como chama a invasão, para o sudeste da Ucrânia, onde apoia separatistas desde 2014.

Segundo Zelenski, houve fortes bombardeios em Kharkiv, no nordeste do país. A agência Reuters conversou com duas jovens em um hospital na cidade de Tchuhuiv, sobreviventes de um ataque a um ônibus que levava 20 civis, disseram elas.

“As janelas começaram a balançar. Então eu vi alguma coisa que lembrava buracos. E aí começaram a voar balas acima de nós. Poeira, fumaça. Eu estava gritando e minha boca estava cheia [de fumaça]”, disse Alina Sheguret, apontando para machucados nas pernas e no quadril.

A Rússia nega atacar civis na Ucrânia.

O serviço de inteligência do Reino Unido, que tem monitorado as movimentações de tropas na guerra, afirmou neste sábado que tropas russas abandonaram o aeroporto de Hostomel, nos arredores da capital ucraniana, palco de confrontos desde o primeiro dia.

Também disse que forças ucranianas continuam a avançar sobre regiões ao redor de Kiev, onde as tropas russas começam a deixar o fronte e a abandonar equipamentos militares, como tanques.

Segundo a inteligência britânica, os ucranianos conseguiram estabelecer uma rota segura até a cidade de Kharkiv.

A Rússia afirma que sua retirada de tropas da região de Kiev é um gesto de boa vontade para contribuir para as negociações de paz, mas ucranianos e aliados do país afirmam que as forças russas foram forçadas a se reagrupar em outras regiões depois de sofrerem fortes perdas.

Nas primeiras horas deste sábado, mísseis russos atingiram duas cidades na região central do país, Poltava e Kremenchuk, disse o administrador da província de Poltava. Segundo ele, os ataques atingiram edifícios residenciais e infraestruturas da cidade, mas não há, até agora, registro de mortos.

A administração de Dnipro também afirmou que ataques a mísseis atingiram infraestruturas da cidade e feriram duas pessoas.

O Ministério da Defesa da Rússia assumiu a autoria dos ataques e afirmou que mísseis de alta precisão desmobilizaram rotas aéreas militares em Poltava e Dnipro.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »