veja por que fazer a viagem


O intercâmbio, muitas vezes, está relacionado ao aprimoramento dos estudos de um idioma, mas não precisa ser restrito a essa área. Ele pode ser feito com o objetivo de trocar conhecimentos técnicos, para descobertas culturais ou ainda para troca de experiências diversas.

Além das características acima, o período de duração de um intercâmbio também não tem um padrão, podendo acontecer por sete dias, três meses ou um ano, por exemplo.

Mesmo em meio à comunicação globalizada, em que os dispositivos permitem conversar, em tempo real, com indivíduos de outros países, são vários os motivos para fazer intercâmbio. Pensando nisso, resolvi escrever algumas razões para você considerar essa prática!

Motivos para fazer um intercâmbio

Algumas pessoas optam por fazer essa conexão com uma nova cultura ainda na adolescência, enquanto que outros só conseguem realizar esse objetivo na fase adulta. Entre os desafios para os dois casos, está a adaptação a uma nova realidade, uma temperatura que pode ser diferente e também o período longe de casa.

Independente do desafio que terá pela frente, nenhum será maior do que a realização do tão planejado sonho.

intercâmbio
O intercâmbio normalmente está ligado ao aprimoramento de um idioma. | Foto: Pixabay.

Imersão em um idioma diferente

O primeiro dos motivos que leva uma pessoa a fazer um intercâmbio é a possibilidade de vivenciar 100% aquilo que aprende nas aulas. Seja por meio da publicidade, por contatos do cotidiano ou em outras experiências, a imersão no idioma vai acelerar o aprendizado, já que a pessoa não terá facilidade em recorrer a sua língua materna.

Além disso, será possível ouvir diversos diálogos paralelos, vivenciar situações reais e ampliar o vocabulário, algo que é difícil de conquistar com o tradicional aprendizado em sala de aula, uma ou duas vezes por semana.

Troca de experiências culturais

Seja para participar de um evento de dança na Índia, um festival gastronômico na França ou ainda um torneio de xadrez na Coreia do Sul, ambas experiências vão permitir que o participante do intercâmbio absorva muito do que for vivenciar em uma terra estrangeira.

Não apenas ele, mas os nativos também poderão coletar informações e experiências dessa troca, aprimorando a prática ou mesmo mudando a percepção sobre aquilo que fazem em seus países.

Autonomia

Algumas das pessoas que fazem intercâmbio jamais vivenciaram um tempo longe dos pais. Ficar um tempo em um território desconhecido, com cultura e idioma diferentes, força o indivíduo a se virar, o que ajuda a obter autoconfiança e autonomia para enfrentar os desafios que o cotidiano trará.

A experiência do intercâmbio, mesmo que curta, é enriquecedora e transformadora para adolescentes e jovens adultos.

Aprimoramento profissional

Dominar um segundo idioma, mas sem a vivência, pode deixá-lo atrás na luta por um cargo de destaque no mercado profissional. Além disso, a experiência no exterior permite ampliar a bagagem cultural e encontrar soluções diferentes para um mesmo problema.

Esses fatores fortalecem o currículo e colocam o profissional em posição de destaque para assumir cargos de gerência na maioria das empresas.

Tipos de intercâmbio

Não existe um protocolo que defina exatamente o perfil que deve fazer um determinado tipo de intercâmbio. Contudo, as agências conseguem definir um padrão de comportamento para elencar os principais tipos e quem busca por eles.

O primeiro é para menores de 12 anos e costuma ser um intercâmbio em família para algum destino turístico, sem foco educativo, mas valioso culturalmente. O segundo é para o público entre 12 e 17 anos, geralmente acontece nas férias e pode envolver um período de estudos.

Existe o intercâmbio high school (ensino médio) que permite estudantes entre 14 e 17 anos concluírem os estudos no exterior, desde que eles tenham um conhecimento prévio do idioma local. Já o intercâmbio para aperfeiçoamento do idioma é mais buscado por indivíduos com mais de 18 anos e costuma ter uma duração de 30 dias.

Tem também o intercâmbio profissional para quem domina o idioma nativo e pretende passar um período no destino, este é buscado por brasileiros até 30 anos. Por fim, outro tipo de intercâmbio é o executivo, com objetivo de aprender uma determinada atividade no exterior. Ele costuma ser buscado por indivíduos com mais de 25 anos e pode durar até seis meses.

Quanto custa fazer um intercâmbio?

Para entender o valor que vai custar o intercâmbio, primeiramente você precisa definir o seu destino e o tempo que pretende ficar no país. A partir dessas informações, é necessário avaliar o câmbio na conversão da moeda brasileira com aquela do local que irá viajar.

Alguns tipos de intercâmbio cobrem os custos, como era o caso do antigo programa Brasil Sem Fronteiras, em que o governo financiava os gastos dos estudantes durante o intercâmbio em uma universidade no exterior. Existem também programas de outros governos regionais e de universidades que facilitam nos custos com moradia ou mesmo dos estudos, reduzindo o gasto final.

Dependendo do visto obtido, é possível também encontrar alguma atividade profissional no destino para receber na moeda local, evitando, assim, reduzir a reserva financeira planejada para o intercâmbio. Contudo, se a permissão não incluir essa autorização, tome cuidado para não ser deportado.

Você deve colocar na ponta do lápis, além da conversão das moedas, o tempo que pretende ficar no local, custos com alimentação, hospedagem, saúde e ainda uma reserva para algumas emergências. Por exemplo, um intercâmbio para estudar inglês por um mês nos Estados Unidos custará, em média, R$ 20 mil. Tudo depende da escola escolhida, do tipo de voo, da cidade de destino, do tipo de hospedagem e do estilo de vida, dentre outros fatores. Para fins de comparação, um mês de intercâmbio na Argentina terá um custo médio de R$ 12 mil.

Por isso, mesmo que o seu objetivo seja estudar inglês, avalie as condições em países com custo de vida menor ou com autorização para trabalho, já que esses fatores podem facilitar a realização do seu sonho ou ampliação do seu tempo em intercâmbio.

Principais destinos de intercâmbio

Como argumentado antes, são vários os motivos que levam uma pessoa a fazer o intercâmbio e outros que ajudam a decidir sobre qual será o destino dela. Uma pesquisa recente com estudantes identificou que a facilidade de autorização para estudar e trabalhar é um fator que os levam a mudar o destino, já que esta combinação reduz os custos totais do intercâmbio.

As agências de intercâmbio apontam que a busca por intercâmbio para aprendizado do inglês continua no topo das necessidades buscadas pelos brasileiros, seguida do francês e do espanhol. A combinação de francês e inglês como idiomas oficiais coloca o Canadá (há 15 anos) no topo dos destinos mais buscados por brasileiros para intercâmbio. Em seguida, na lista vem Estados Unidos da América, Irlanda, Reino Unido e Austrália.

Como já comentado, além do idioma do destino e do câmbio, é necessário considerar o custo de vida no local. Neste aspecto, aumentam também as pesquisas por intercâmbio em Malta, África do Sul e Nova Zelândia.

Se você tem interesse em fazer um intercâmbio, busque informações sobre o clima, sobre a moeda, sobre o visto e a culinária local em um consulado ou mesmo com uma assessoria para não transformar sua viagem dos sonhos em pesadelo!

_________________________________
Por Mayk Souza – Fala! Anhembi







Source link

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »