Medicina e Saúde

Sistema de pontuação de risco pode prever demência, diz estudo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Um estudo publicado na revista BMJ Mental Health apresenta uma nova pontuação de risco de demência que se baseia em 11 fatores de risco. Segundo os pesquisadores responsáveis pelo trabalho, esse sistema pode prever o desenvolvimento da doença em um período de 14 anos.

Leia mais

De acordo com dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), cerca de 50 milhões de pessoas em todo o mundo vivem com demência. A previsão, no entanto, é que esse número triplique até 2050.

Uma realidade complexa, mas que pode ser combatida através de mudanças no estilo de vida da população, o que pode evitar cerca de 40% dos novos casos. E um novo aliado pode ser um sistema de cálculo de riscos que pode prever as chances de uma pessoa desenvolver a doença.

O estudo

  • Para criar esse método, os pesquisadores se basearam em dois grandes grupos de pessoas de 50 a 73 anos que participaram de dois estudos de longo prazo.
  • Um grupo para desenvolver o novo escore de risco e outro para validá-lo, segundo informações da Medical Xpress.
  • Ao todo, 220.762 participantes, com uma idade média pouco menor de 60 anos, participaram do primeiro estudo e 2.934 pacientes, com idade média de 57 anos, foram incluídos no segundo.
  • Os pesquisadores compilaram uma lista de 28 fatores estabelecidos associados a um risco aumentado ou reduzido de desenvolver demência, aos quais aplicaram um método estatístico (regressão LASSO) projetado para identificar e descartar os fatores menos relevantes e, assim, concentrar a pontuação nos preditores mais fortes.
  • Isso produziu 11 fatores preditivos para qualquer tipo de demência: idade; educação; histórico de diabetes; histórico de depressão; histórico de acidente vascular cerebral; demência parental; desvantagem econômica; hipertensão arterial; colesterol alto; morar sozinho; e ser do sexo masculino.

Resultados

  • No total, 3.813 pessoas do primeiro grupo, quase 2% do total, e 93 do segundo, pouco mais de 3%, desenvolveram demência após um período de até 14 anos.
  • E o sistema utilizado previu corretamente o aparecimento da doença em 95% dos casos.
  • Os pesquisadores sugerem que a precisão ainda poderia ser melhorada ainda mais adicionando testes cognitivos, uma varredura cerebral e um exame de sangue para indicadores de neurodegeneração.
  • Mas, como são caros e/ou demorados, eles nem sempre estão disponíveis.
  • “Portanto, o UKBDRS pode ser melhor usado como uma ferramenta de triagem inicial para estratificar as pessoas em grupos de risco, e aqueles identificados como de alto risco poderiam então se beneficiar das avaliações de acompanhamento mais demoradas descritas acima para uma caracterização mais detalhada”, sugere o autor principal do estudo, Dr. Raihaan Patel.
  • Os pesquisadores, no entanto, lembram que ter um score alto não significa que o surgimento da demência é irreversível.
  • “É importante lembrar que esse escore de risco só nos diz sobre nossas chances de desenvolver demência; não representa um resultado definitivo. A importância de cada fator de risco varia e, dado que alguns dos fatores incluídos na pontuação podem ser modificados ou tratados, há coisas que todos podemos fazer para ajudar a reduzir nosso risco de demência”, destaca a professora Sana Suri, que também participou da pesquisa.

Já assistiu aos novos vídeos no YouTube do Olhar Digital? Inscreva-se no canal!

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEPTAR
Aviso de cookies
Translate »