Sem braços nem pernas, Milagre treina jovens em Marrocos – 04/01/2022 – O Mundo É uma Bola

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Essa é uma história de amor pelo futebol. Seu protagonista é marroquino e seu nome é Abdelkhalek El Wardi.

Ele nasceu sem antebraços e sem pernas –só tem as coxas. Essas limitações físicas, contudo, não o impediram de, em seu esforço para se adaptar ao mundo, jogar bola.

Apaixonado pelo esporte, Abdelkhalek sempre que podia tinha uma redonda por perto. E, do seu jeito, participava de partidas com outras crianças.

Equilibrava-se e movia-se como podia, mas a dificuldade para correr, driblar, passar e chutar era imensa, então virou goleiro.

Tinha 7 anos e, com certa impulsão e bom posicionamento, evitava gols utilizando o corpo e a cabeça como se fossem as mãos faltantes.

Essa capacidade de fazer o que seria impensável para quase todos o fez alguém um dia chamá-lo de Milagre, e o apelido pegou.

Abdelkhalek foi crescendo e, quando adolescente, decidiu parar de jogar e começar a treinar equipes de crianças da cidade em que vivia, Benguerir, na região central de Marrocos.

Ele inclusive abandonou os estudos, alegando dificuldades financeiras e de locomoção (não tinha uma carreira de rodas elétrica), além da paixão pelo futebol.

Disse ter percebido que tinha vocação para ensinar e orientar, tecnicamente e taticamente, tanto os de sua idade, que já jogavam, como os aprendizes. Torná-los candidatos a craques.

“Minha carreira de técnico começou em 2010, em times de bairro. Ganhei experiência com a participação em torneios regionais”, afirmou ele, segundo o site de notícias Teller Report.

“Então fui chamado pela direção do Raja Benguerir [equipe amadora] para supervisionar as suas categorias de base.” Sob seu comando, jovens tentam atrair a atenção de olheiros de clubes que disputam a primeira e a segunda divisão do país.

Pessoas que convivem Abdelkhalek Milagre, cuja idade não foi divulgada, definem assim seu estilo no trato com os atletas: “Rigoroso e justo”.

Um treinador que teve contato com ele disse acreditar que, caso o colega tenha oportunidade de se diplomar como profissional, tem chance de crescer na função.

“Sou testemunha de que Abdelkhalek trabalha com jovens, é rígido nos treinos, não gosta de bagunça”, afirmou Wafaa Tara. “Faço votos de que a Federação Marroquina de Futebol olhe para essas pessoas [com deficiência] para que possam obter diplomas em gestão esportiva.”


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »