Samsung Galaxy Tab S7 FE: competente para quase todo mundo | Review

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


  • Visual muito bonito
  • S Pen é competente
  • Modo DeX salva o problema do Android em tablet

  • Android continua mal otimizado para tablets
  • Carregador na embalagem é lento

Não faz muito tempo que a Samsung tinha uma divisão de aparelhos chamada de Lite, que era a forma utilizada pela marca coreana para dizer que o dispositivo era quase topo de linha, até dividindo o nome, mas faz algumas economias aqui e ali. Agora esse degrau abaixo tem nome de FE e ele chegou aos tablets.

Esse é o Galaxy TAB S7 FE. Ele tem acabamento premium e muito bonito, muitos detalhes do S7 normal, mas por dentro faz cortes para não chegar custando a mesma coisa para quem quer comprar. Ele tem tela enorme de 12,4 polegadas, trabalha com processador Snapdragon 750G para dar aquela força em tudo, junto de bateria que não me desagradou.

publicidade

Leia também

Claro que nem tudo por aqui brilha e esse tablet tem sim seus pontos negativos. Eu passei as últimas semanas usando o Galaxy Tab S7 FE, até para escrever o roteiro desse review, e te conto minha experiência nos próximos minutos para te ajudar na hora da decisão da compra.

Review do Galaxy Tab S7 FE em vídeo

Design e tela

Não tem como dizer que o Galaxy Tab S7 FE é feio, mas nem de longe e nem sem óculos. Esse modelo tem tudo que você pode esperar de um tablet topo de linha, o que inclui corpo em metal fosco, design quadradão e tudo muito bem alinhado com outros produtos de nome parecido da empresa coreana.

Como qualquer tablet de tela grande, o Galaxy Tab S7 FE é pesado. Ele tem 608 gramas de e isso você sente nas mãos com pouco tempo de uso. Para ter uma ideia, este peso todo seria o equivalente a segurar uns três ou quatro Galaxy S22 nas mãos, só que em um espaço quase de uma bandeja de restaurante.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

Por isso eu recomendo o uso deste tablet, e de qualquer outro tablet grande, com ajuda de um apoio na mesa, ou sempre em uma superfície minimamente plana. Nesse tipo de uso os 608 gramas não incomodam de forma alguma. A conexão com o mundo por fios é feita em uma porta USB-C que pode servir como entrada para arquivos em armazenamento externo.

Existe a possibilidade de expandir a memória com um cartão microSD de até 1 TB e nessa gaveta você consegue colocar um chip de operadora para conexões 4G. Sim, mesmo como um “tablet topo de linha muito recente”, o Galaxy Tab S7 FE não suporta 5G, ao menos não no modelo vendido no Brasil. Lá fora ele pode sair com modem pronto para redes de quinta geração.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

O conjunto já acompanha uma S Pen e ela pode ser guardada em dois lugares, com ajuda dos imãs. Ela fica bem presa para andar com o tablet pela casa, mas se você colocar na mochila, saiba que pode encontrar a canetinha em outro lugar quando for retirar o produto. Eu senti falta de um buraquinho para guardar o acessório dentro do corpo, como faziam os Galaxy Note.

Para ajudar na hora de guardar, também poderia rolar um desenho de onde ela fica firme. O Galaxy Tab S7 normal tem isso, não faz sentido não ter aqui.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

A tela é boa, é um LCD TFT de 12,4 polegadas com resolução também grande em 2.560 x 1.600 pixels. É possível trabalhar e consumir mídia ou jogar nela, mas esse display não tem o contraste e as cores de um Super AMOLED. O curioso é que o Galaxy Tab S6, que veio antes desse, tinha esse tipo de display. Ela não chega a fazer falta por aqui, principalmente pensando que cortes aparecem para deixar esse “FE” menos caro. Um deles está justamente aqui.

Fechando a parte da frente, as bordas não são finas, mas estão dentro do que se espera de um tablet. Como a tela é enorme, você não chega a perceber a presença delas e elas ajudam na experiência de uso, para você conseguir ter onde segurar quando precisar levantar com o Galaxy Tab S7 FE.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

O som sai de dois falantes e não quatro como no S7 normal. Aqui fica outro corte, mas não na qualidade e sim na quantidade. Ainda assim o áudio tem presença até nos graves, envolve bem com os dois speakers nas laterais opostas para quem usa o tablet deitado e o volume pode ficar alto. Curti viu.

Falei de cortes e que tá tudo bem né, mas tem um que eu sinto falta demais: leitor de impressões digitais. O Galaxy Tab S7 FE tem apenas o reconhecimento facial para quem não quiser digitar senha na tela toda vez, mas a gente já sabe que esse tipo de desbloqueio é menos seguro.

Eu fiquei com a senha o tempo todo, numa sensação de produto de sei lá, 2017.

Hardware e software

Por dentro o Galaxy Tab S7 FE vem equipado com Snapdragon 750G e 6 GB de RAM, com 128 GB de memória interna. Com tudo isso eu não encontrei engasgos nas tarefas do cotidiano, que envolvem redes sociais e vídeos no youtube ou qualquer outro streaming.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

Esse bom desempenho segue até mesmo quando dois apps dividem a tela. Em jogos o Asphalt 9 rodou com desenvoltura e até o pesado Genshin Impact não fez feio, mesmo com gráficos no máximo. Claro que quedas na taxa de quadros por segundo aparecem nesse jogo, mas tudo dentro do aceitável para um hardware intermediário e que consegue dissipar calor com mais facilidade, justamente por conta do tamanho enorme do corpo.

O Android 12 está presente com a One UI 4.1 e ele é bacana, preenche bem o espaço generoso da tela, mas o problema está nos apps. Mesmo com tantos anos de tablets Android, o sistema operacional do Google continua não entregando muitos apps que aproveitam tudo isso.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

O YouTube tem interface específica, mas o Facebook não e nesse caso é o app do celular, esticado. Spotify tira proveito, mas o Twitter não, fica tudo espalhado e com leitura prejudicada. Convenhamos que deu tempo pra duas das maiores redes sociais do mundo receberem uma versão do aplicativo para os tablets Android né, já que no iPad a história é completamente diferente para esses dois.

Para compensar isso a Samsung criou o DeX e ele é a única coisa que dá uma engasgadinha quando abre aqui, mas depois roda liso. Nele uma interface parecida com um desktop de PC aparece e apps podem ser abertos em janelas, como você faz no Windows ou macOS mesmo.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

Você pode colocar um teclado e mouse Bluetooth para trabalhar assim e juro, é ótimo. É tudo que o Google e as empresas ignoram sobre interface para tablets, mas que o iPad faz desde quase sempre. Me lembra um Chrome OS dos Chromebooks até. É confortável para trabalhar, mas atrapalha se você for jogar ou assistir um filme.

Nessa hora a S Pen faz sentido, vira um “mouse” se você não tiver um. Falando nela, esse modelo é bem simples e com corpo todo em plástico, mas o tamanho grande dela dá conforto que nenhuma S Pen de Galaxy Note jamais conseguiu. Ela reconhece pressão e o app pode alterar a forma do desenho ou da escrita, mas não oferece comandos por Bluetooth.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

Por ela você chama atalhos, seleciona alguma coisa, cria anotação rápida e finge que sabe bem desenhar…o que não é meu forte né. Mas se você souber, pode ser feliz.

Câmeras

O Galaxy Tab S7 FE tem duas, com uma no topo para quando você segura o tablet deitado e ela tem 5 megapixels. Já a traseira tem 8 megapixels. É pouco para fotos da balada ou da vida, mas é o suficiente para quem tem um tablet: que usa chamadas de vídeo e digitaliza algum documento.

Saiba que seu celular no bolso, mesmo que seja um Android simples, vai fazer fotos melhores que o Galaxy Tab S7 FE e tá tudo certo. Tablet não é para ser câmera fotográfica mesmo. Ele faz bonito na hora de uma reunião em vídeo e é isso.

Bateria

Passando pra bateria, como o corpo é grande em qualquer tablet, ela pode ter espaço para crescer e aqui fez isso com vontade. São 10.090 mAh de energia e se você usa este tipo de produto para algumas poucas horas por dia e depois desliga a tela, dá para dizer que você vai recarregar ele uma ou duas vezes por semana.

Se for jogar algo pesado, pouco mais de cinco horas garantem uma forma eficiente para drenar a energia do Galaxy Tab S7 FE. Até pela tela com muita coisa para iluminar e muitos pixels para gerar né. Poderia ser mais, mas não tá tão ruim assim não.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

Se a autonomia não é um problema grave, a recarga é. Na caixa a Samsung oferece um carregador de 15 watts, mesmo com o Galaxy Tab S7 FE sendo compatível com modelos de 45 watts – o triplo de energia. Na tomada com o que vem na embalagem, você beira três horas e quarenta minutos para sair de 0 e ir até 100%.

Não é possível ter pressa nessa hora tá? Se tiver, você vai precisar comprar um carregador melhor.

Galaxy S7 FE: vale a pena?

Eu gostei bastante do Galaxy Tab S7 FE, pensando na proposta dele. Ele é um tablet bonito, elegante, com bom desempenho e com cortes de preço onde não faz tanta falta assim, mas eu senti que existem pontos que atrapalham. O primeiro é não ter um desenho do local do imã pra ajudar na hora de fixar a S Pen.

O segundo é a falta de um leitor de impressões digitais, nem que seja no botão liga/desliga. O reconhecimento facial sem sensores extras é pouco seguro, seja em qual produto for, de qualquer fabricante. Mesmo assim a tela, ainda em um LCD convencional de 60 Hz, não faz feio.

Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)
Galaxy Tab S7 FE (Imagem: Mario Kurth/Olhar Digital)

O Android continua muito mal otimizado para telas grandes, mesmo com anos e mais anos de sistema nestes aparelhos, mas a Samsung resolveu ao menos a parte de produtividade com o modo DeX. Ele continua excelente.

Não existem concorrentes pro Galaxy Tab S7 FE no mercado brasileiro, então ele concorre com o S7 normal, que não é difícil encontrar por mais ou menos o mesmo valor do FE. Se esse for o caso, vá para o S7 na hora. Ele é melhor em todos os pontos, até na tela AMOLED e desenho indicando onde a S Pen fica mais firme no imã.

O Galaxy Tab S7 FE vale apenas se ele estiver mais barato e, no momento da publicação desse review, dá para encontrar ele por algo perto de R$ 2,5 mil ou R$ 3 mil.

  • Tela



  • Bateria



  • Desempenho



  • Design



  • Sistema/Interface



  • Câmeras



  • Conectividade



  • Som


Galaxy Tab SE FE: ficha técnica

Tela: LCD TFT de 12,4 polegadas
Full HD+, 2.560 x 1.600 pixels
60 Hz
Suporte para S Pen
Processador: Qualcomm SM7225 Snapdragon 750G (8 nm)
Octa-core de até 2,2 GHz
GPU: Adreno 619
RAM: 6 GB
Armazenamento: 128 GB
Câmera traseira: 8 MP
Vídeo: 1080p até 30 fps
Câmera frontal: 5 MP
Sistema Operacional: Android 12
One UI 4.1
Conexões: Wi-Fi 6 (2,4 GHz e 5 GHz)
Bluetooth 5.2 (A2DP e LE)
USB-C 2.0
GPS (A-GPS, GLONASS, BDS, GALILEO)
Bateria: 10.090 mAh
Carregamento de 45 watts (na embalagem com 15 watts)
Outros: Suporte e imã no corpo para segurar a S Pen
Dimensões: 284,8 x 185 x 6,3 mm
Peso: 608 gramas

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEPTAR
Aviso de cookies
Translate »