Samba é trilha sonora de ruas e clubes do Bexiga, que retomam programação; veja roteiro – 25/11/2021 – Bares e noite

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Circular pelas ruas estreitas do Bexiga, na região central de São Paulo, é quase como revisitar uma antiga cena do samba na capital. Especialmente aos finais de semana, quando as batidas e acordes embalam a cantoria e o burburinho do público que circula por ali.

O agito começa nas noites de sexta, com o famoso Samba da 13, nome popular dado ao grupo Madeira de Lei, que há mais de dez anos se apresenta na calçada da rua 13 de Maio, altura do número 507, sempre no mesmo dia, e que voltou à agenda na última semana. Quando a atmosfera esquenta, os músicos desaparecem no meio da multidão, que invade as ruas em clima de Carnaval fora de época.

Conforme a noite avança, a aglomeração aumenta. Por isso, não é raro que a polícia seja chamada pela vizinhança para desobstruir a via para a passagem de veículos —e encerra o evento.

Isso porque no Bexiga os bares dividem espaço com casas residenciais. Por isso, as festas de rua mais animadas não invadem a madrugada. É o caso do Samba da 13, que começa por volta das 19h e normalmente acaba no auge da empolgação do público, por volta das 23h —um jeito de deixar a turma querendo mais.

Quem quiser continuar curtindo um samba, pode ir até o bar Toca da Capivara, na rua Major Diogo, 865, que fica aberto até às 2h onde que se apresentam de quinta a sábado um grupo diferente de samba por dia .

Outra opção para curtir durante a madrugada é o Mundo Pensante, na rua 13 de Maio, 830. O espaço é uma espécie de centro cultural com casa de shows, com programação de festas e de bandas. Ali, o público troca o litrão por garrafas long neck para curtir uma programação com apresentações instrumentais, rodas de samba e DJs que destacam ritmos de raízes brasileiras.

O Ala! Jardim, por sua vez, oferece um clima mais intimista. Mistura de restaurante, brechó e casa de shows, o espaço conta com um agradável jardim, que recebe músicos e festas. Neste sábado, dia 27, a partir das 16h, está marcada uma homenagem à cantora Elza Soares.

Em um imóvel tombado dos anos 1920, a Casa Barbosa, na rua Rui Barbosa, promove festas, performances e shows de jazz, samba, choro, forró, entre outros estilos, em ambiente de clima despojado. Dá para manter o ritmo do Ala! e seguir para lá depois, às 21h30, quando o local recebe o Samba de Dandara, de exaltação às muheres sambistas.

Mesmo com tanta oferta, o Bexiga ainda esconde passeios dos quais que só o pessoal mais antenado fica sabendo. É o caso do samba que acontece aos domingos em uma funilaria no número 574 da rua Rui Barbosa, que reúne de anônimos e famosos.

O local não tem nome, mas ficou conhecido como Samba da Funilaria —e, assim como o da 13, enche as ruas e acaba quando a polícia chega.

É verdade que o Bexiga também tem espaço para o rock –clubes como o Madame e Café Piu Piu também estão por ali—, mas é o samba que vibra ali, desde os tempos de Adoniran Barbosa.

Se for sair de casa para curtir a região, use máscara corretamente, principalmente em ambientes com aglomeração de pessoas, mantenha as mãos higienizadas e tenha a carteirinha de vacinação em dia.

Boêmia no Bexiga

Ala! Jardim

r. Rui Barbosa, 658. Instagram @ala.jardim

Casa Barbosa

r. Rui Barbosa, 559. Instagram @casabarbosabixiga

Funilaria Bexiga

r. Rui Barbosa, 574. Instagram @funilariabixiga

Mundo Pensante

r. 13 de Maio, 830. Instagram @mundopensante

Samba da Treze

r. 13 de Maio, 507. Instagram @sambadatrezebixiga

Toca da Capivara

r. Major Diogo, 865. Instagram @atocadacapivara



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »