Risco de apagão ainda é desesperador, mas começou a diminuir – 14/10/2021 – Vinicius Torres Freire


Lá por volta de junho, o público em geral soube que o nível d’água nos lagos das usinas hidrelétricas era tão baixo e ainda cairia tanto que o risco de racionamento estrito de eletricidade era desesperador —racionamento “estrito” quer dizer redução obrigatória de consumo. A situação continua desesperadora, mas está melhor do que o esperado em meados do ano.

O risco diminuiu porque planos funcionaram e os céus ajudaram um pouco. Mas estamos em emergência, que deve durar pelo menos até março ou abril de 2022, se der tudo certo. A conta de luz continuará salgada até lá, pelo menos, e a crise provoca um monte de problemas financeiros no setor elétrico, que continua com desordens crônicas.

A energia armazenada nas usinas de Sudeste e Centro-Oeste deve chegar no final de novembro a um nível menor do que o de novembro de 2020, segundo as previsões atuais. Por essas estimativas, devem baixar a um nível muito semelhante ao de novembro de 2014, quando também estivemos pela hora da morte em eletricidade e ano em que a cidade de São Paulo ficou a semanas ou dias da seca de água encanada. Por que Sudeste e Centro-Oeste? Porque 70% da capacidade máxima de armazenamento está nas hidrelétricas dessas regiões. “Energia armazenada” é o quanto de eletricidade dá para fazer com a água dos reservatórios, grosso modo.

Em junho, as autoridades, estudiosos e analistas do assunto diziam na verdade que, em 2021, não haveria racionamento caso todas as providências técnicas fossem tomadas, se não chovesse ainda menos do que o pouco previsto, se não faltasse gás para termelétricas ou se uma delas não pifasse ou tivesse de parar para manutenção de rotina etc. Chegaríamos a 30 de novembro com a corda no pescoço e com risco de apagões pontuais (por excesso de consumo em determinado horário), na ponta do lápis ou da planilha, mas sem racionamento estrito.

Mas a situação era desesperadora. Ainda é ruim, das piores dos anos mais recentes e comparáveis. A energia armazenada nas usinas de Sudeste e Centro-Oeste era de 16,8% na quarta-feira, 13 de outubro. No ano ruim de 2014, de 23%. O risco não depende, claro, apenas de medida simplória de água nesses lagos, mas da energia disponível em outras regiões e de outras fontes, além da interligação desse sistema (linhas de transmissão) e da importação de eletricidade dos vizinhos Argentina e Uruguai. Mas um colapso no Sudeste e Centro-Oeste é fatal.

Prevê-se agora que a capacidade dos reservatórios dessas regiões chegue a algo em torno de 16%, no final de novembro. A média dos sete anos ruins de 2014 a 2020 foi de 22,9%. Nos sete anos bons de 2005 a 2011, a média foi de 52%. A penúria atual é resultado de uma mistura de seca feia com esbulho de recursos naturais e de um setor elétrico que, em termos de regulação, preços etc. funciona à base de muita gambiarra.

O que atenuou o problema desde 2021? Têm dado certo as providências técnicas das autoridades do setor elétrico, que, para resumir toscamente um assunto muito enrolado, tem tirado leite de pedra —estamos no limite, não há folga e ainda é preciso adotar mais medidas heroicas nos próximos meses.

Além do mais, as temperaturas ficaram mais amenas, com menos gente usando ar condicionado, por exemplo. Tem chovido um tico mais do que o previsto nesta pré-temporada do período úmido. Mas não dá para saber do volume de chuvas até o final de novembro.

Um racionamento seria, claro, um desastre econômico, mais um da série que começou em 2014, pelo menos, o que daria em mais desemprego e fome. É uma notícia política importante também. Jair Bolsonaro vai sendo salvo pelo gongo.​


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »