Revolta na África do Sul é retrato de um continente exausto – 15/07/2021 – Mundo

amazon celulares maior Vision Art NEWS


Nenhum outro país africano foi tão afetado pela pandemia como a África do Sul. Polo financeiro e industrial do continente, Gauteng —a província onde fica Pretória, a capital, e Joanesburgo, a principal cidade— concentrou o maior número de casos nas três ondas que assolaram o continente. Com 14 mil dos 64 mil mortos no país até agora, é a província com o maior número de fatalidades.

Gauteng também cristaliza todas as dinâmicas de desindustrialização, falência dos serviços públicos, e distensão do pacto social. Ela abriga uma economia de serviços altamente dependente do movimento internacional que simplesmente desmoronou durante a pandemia. A queda de 7% do PIB do ano passado escancarou a desigualdade, a maior do mundo, que aumentou consideravelmente nos últimos trinta anos. Um atestado de fracasso do processo democrático concretizado por Nelson Mandela.

Leituras a quente da explosão de violência dos últimos dias, que levou à morte de mais de 70 pessoas e paralisou o país, olham para o recente encarceramento de Jacob Zuma como ponto de partida.

No começo do mês, o ex-presidente, envolvido em calamitosos escândalos de corrupção, foi condenado a prisão, mas inicialmente afirmou que não iria se entregar à Justiça. O processo, acompanhado de perto pela população, parece ter estado na origem de alguns confrontos entre militantes e policiais na região de KwaZulu-Natal, o bastião político de Zuma e centro da disputa entre o CNA (Congresso Nacional Africano, partido que governa o país desde o fim do apartheid) e os nacionalistas zulus.

O apoio ao ex-presidente também é uma revolta contra o próprio CNA. O sucessor de Zuma no comando da sigla e do país, Cyril Ramaphosa, iniciou uma gestão competente, porém excessivamente tecnocrática, que o elevou a queridinho dos mercados, mas o distanciou da base da legenda.

As revoltas sociais que marcaram a história recente da África do Sul e correram o mundo reúnem toda sorte de elementos materiais e simbólicos, incluindo os estudantes, reunidos em torno do movimento Rhodes Must Fall —que defende a derrubada das estátuas que homenageiam figuras do período colonial—; os ataques xenófobos contra imigrantes, que competem com os sul-africanos no apertado mercado de trabalho local; e o massacre de Marikana, quando trabalhadores de uma mina foram assassinados pela polícia depois de um protesto.

Mas, desta vez, a velocidade e o violência da devastação não tem precedentes. Os ataques aos centros logísticos estão criando problemas de abastecimento de alimentos e combustível, em um momento no qual os hospitais de algumas das principais regiões do país encontram-se em ponto de ruptura. A campanha de imunização, que finalmente começava a ganhar alguma velocidade, teve de ser interrompida. Esse método por trás dos protestos indica, segundo analistas locais, o envolvimento de facções do aparelho de segurança ligadas a Zuma, que sempre dominou a arte de usar o Estado para atingir os seus fins clientelistas.

Com a confusao entre CNA e poder publico que existe desde o fim do apartheid e o agravamento das constrições sociais, a África do Sul vive o cenário de crise sanitária e explosão social que todos temiam no começo da pandemia. Uma combinação explosiva em um dos países mais afetados pelo abandono da comunidade internacional do Sul Global durante a pandemia. A revolta no país é o retrato de uma África exausta.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

amazon computadores Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »