Responder às incertezas em promoção do desenvolvimento global – 29/09/2021 – Mundo


Ao participar de forma virtual do debate geral da 76ª sessão da Assembleia-Geral das Nações Unidas, o presidente chinês, Xi Jinping, fez um discurso intitulado “Fortalecendo a confiança e superando juntos as dificuldades para construir um mundo melhor”, no qual apresentou propostas para responder às incertezas globais e conduzir o desenvolvimento mundial.

Em primeiro lugar, é preciso injetar confiança no combate solidário internacional à pandemia. Xi Jinping salientou que a atual pandemia pode parecer avassaladora, mas nós, a humanidade, sairemos vencedores no final.

Nesse combate, devemos priorizar sempre as pessoas e a vida humana, defender o espírito científico e adotar uma abordagem fundamentada em ciência, para que haja coordenação entre os protocolos de rotina e medidas emergenciais de contenção, assim como entre o controle da pandemia e a retomada do desenvolvimento socioeconômico.

Precisamos fortalecer as ações globais articuladas para minimizar o risco de transmissão transfronteiriça. Temos de tratar as vacinas como um bem público global e garantir a disponibilidade e o preço acessível dos imunizantes nos países em desenvolvimento através de uma distribuição justa e equitativa.

O presidente Xi Jinping reiterou que, até o final do ano, o governo chinês prevê entregar um total de 2 bilhões de doses ao mundo e doar 100 milhões de doses adicionais aos países em desenvolvimento, além da doação de US$ 100 milhões já anunciada ao programa Covax Facility.

A China continuará a apoiar e a participar das investigações globais sobre a origem do vírus com base na ciência e repudia qualquer forma de manobra política.

Em segundo lugar, propôs uma iniciativa para o progresso comum da humanidade. Diante dos severos impactos da pandemia, o presidente Xi Jinping apresentou solenemente a Iniciativa de Desenvolvimento Global com os seguintes pontos centrais: manter o compromisso com o desenvolvimento como prioridade, agir sempre com uma abordagem centrada no povo, trazer inclusão social e benefícios para todos, tratar a inovação tecnológica como força motriz, criar harmonia entre o homem e a natureza e adotar ações voltadas para resultados.

Vamos trabalhar para gerar sinergia na cooperação multilateral para o desenvolvimento, priorizar as parcerias para a redução da pobreza, a segurança alimentar, a resposta à Covid-19 e as vacinas, o financiamento ao desenvolvimento, a mudança climática e o crescimento verde, a industrialização, a economia digital e a conectividade, de modo a construir uma comunidade global de desenvolvimento com futuro compartilhado.

O presidente Xi Jinping também anunciou que a China aumentará o apoio a outros países em desenvolvimento na exploração de fontes de energia verde e de baixo carbono e não construirá novos projetos de termelétrica a carvão no exterior. Trata-se de mais uma medida espontânea que a China toma para enfrentar a mudança climática, depois de assumir o compromisso de atingir o pico das emissões de carbono em 2030 e alcançar a neutralidade de carbono em 2060.

Em terceiro lugar, é importante nortear a construção de um novo tipo de relações internacionais. O presidente Xi Jinping sublinhou que um mundo de paz e desenvolvimento deve abraçar todas as formas de civilizações e acolher diversos caminhos para a modernização.

A democracia não é privilégio reservado de um determinado país, mas um direito de todos os povos do mundo. Devemos promover os valores comuns de paz, progresso, equidade, justiça, democracia e liberdade; e rejeitar a formação de pequenos grupos fechados ou jogos de soma zero.

Ao defender um verdadeiro multilateralismo, a ONU deve assegurar a estabilidade da ordem internacional e aumentar a representação e a voz dos países em desenvolvimento nos assuntos internacionais.

Da mesma forma, deve também assumir a liderança no avanço da democracia e do Estado de Direito nas relações internacionais, e levar adiante, de forma equilibrada, os trabalhos nas áreas de segurança, desenvolvimento e direitos humanos, além de certificar que os compromissos assumidos por todas as partes no multilateralismo sejam realmente cumpridos.

Duas economias emergentes, China e Brasil são também parceiros estratégicos globais e compartilham amplos interesses comuns em agendas multilaterais.

Este ano marca o 50º aniversário da restauração da cadeira da República Popular da China nas Nações Unidas. Nesse novo ponto de partida histórico, a China trabalhará com o Brasil e toda a comunidade internacional para atuar mais proativamente nos vários empreendimentos das Nações Unidas, contribuir continuamente para o aperfeiçoamento do sistema internacional centrado na ONU e dar maior impulso à paz e ao progresso da humanidade.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »