Renato Gaúcho é o técnico do time de R$ 200 milhões – 28/10/2021 – Sandro Macedo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Ah, o maravilhoso mundo das copas nacionais, nas quais apenas um jogo pode derrubar os times de R$ 200 milhões ou de R$ 10 bilhões para equipes bem mais modestas.

Na mesma quarta em que o Flamengo, melhor time (e mais caro) do Brasil, foi eliminado, o Bayern de Munique perdeu de 5 a 0 para o Borussia Monchengladbach (que é menor que o Athletico-PR) e está fora da Copa da Alemanha. E não, o Bayern não estava poupando, jogou com Lewandovski, Sané, Neuer, Kimmich, Gnabry e grande elenco.

Antes, à tarde, o Manchester City, de Pep Guardiola, perdeu nos pênaltis para o West Ham na Copa da Liga Inglesa. A primeira derrota nos últimos cinco anos da competição.

Mas o dia é de falar mesmo da eliminação do Flamengo e, principalmente, de Renato Gaúcho.

Diz o ditado que o peixe morre pela boca. Renato, que já foi peixe de Romário, provavelmente vai pagar o preço nas próximas 200 entrevistas como técnico do Flamengo (se houverem) pelo que disse em algumas coletivas do passado.

Quando estava no Grêmio, insinuou mais de uma vez que era fácil jogar bonito com as contratações do Flamengo. “Se um dia o presidente do Grêmio falar assim, ‘olha, Renato, você tem R$ 200 milhões para contratar’. Aí pode me cobrar futebol bonito”, disse o atual (até a publicação deste texto) técnico do Flamengo.

Só nesta quarta (27), dois jornalistas questionaram sobre o futebol do time de R$ 200 milhões. Renato não respondeu.

No jogo de ida contra o Athletico-PR, na semifinal da Copa do Brasil, o técnico falou de como o VAR intervém nas partidas e que, quando é contra o time dele, pode marcar também. No jogo desta quarta, se não fosse o árbitro de vídeo, o primeiro tempo poderia terminar 1 a 0 para o Flamengo: o juiz não viu o pênalti cometido por Filipe Luís, e só ele viu um pênalti a favor do Flamengo, cometido por Gasparzinho em Bruno Henrique. Talvez Renato devesse ter elogiado o VAR…

O técnico também reclamou do gramado sintético na primeira partida contra o Athletico. Bem, no pasto do Maracanã, que alguns chamam de gramado, onde o Flamengo joga toda semana, o campo nitidamente atrapalhou… o Athetico. Veja o segundo gol dos paranaenses: a bola trava nos buracos do gramado mais de uma vez e tira a velocidade do ataque, que só terminou em gol graças à falha de Diego Alves.

Falando em gols, o terceiro do Athletico-PR, marcado pelo reserva Ivaldo, poderia vencer o prêmio Puskas de gol de zagueiro mais bonito do ano. Ele não só armou o contra-ataque como chegou na frente para concluir com estilo e frieza de atacante.

Por último, Renato também gosta de falar da maratona de jogos e da dureza de jogar em três competições simultaneamente. Ué, mas o Athletico está no Brasileiro, na Copa do Brasil e é finalista da Sul-Americana.

Talvez o Flamengo precise mais do que um técnico boa-praça, bom de papo e com domínio no vestiário.

Mas tudo estará resolvido, perdoado e ficará no passado com apenas um jogo, quando Flamengo (e Palmeiras) pode levantar o caneco da Libertadores. Até lá, “batatinha assando 1, 2, 3”.

Em tempo, uma menção honrosa para o melhor treinador da Copa do Brasil que foi eliminado: o argentino Juan Pablo Vojvoda, do Fortaleza, que levou um 6 a 1 no placar agregado contra o Atlético Mineiro, do bom técnico Cuca.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »