Relatório da SEC avalia o episódio da GameStop – 25/10/2021 – Por quê? Economês em bom português


A Security Exchange Comission (SEC), órgão regulador da bolsa americana, divulgou nesta semana um estudo detalhado sobre os acontecimentos de janeiro de 2021 que fizeram com que a empresa GameStop ficasse conhecida no mundo inteiro.

A GameStop comercializa jogos eletrônicos em lojas físicas nos Estados Unidos. Há alguns anos a empresa apresenta prejuízos significativos, reflexo da concorrência das lojas virtuais e da distribuição dos jogos por meio digital. Muitos analistas previam que as restrições impostas pela pandemia finalmente levariam a empresa à falência. Grandes investidores institucionais apostaram nesse resultado.

Mas não foi isso que aconteceu. Um movimento sem precedentes de pequenos investidores, coordenado pelas mídias sociais, conseguiu sustentar a empresa, catapultando o preço da ação dos US$ 20, em dezembro de 2020, para mais de US$ 300 em janeiro de 2021. O forte aumento do preço da ação fez os investidores vendidos encerrarem suas posições para reduzir o risco de suas posições. Com a ausência dos investidores informados, os preços ficaram ainda mais voláteis e sobrevalorizados.

O estudo da SEC avaliou o impacto desse movimento. Em especial, analisaram: i) como o aumento da volatilidade afetou os cotistas dos fundos ETFs (Exchange Traded Funds) que possuíam o papel em carteira; ii) como a proibição temporária de negociação imposta pelo sistema de margens e garantias afetou os investidores; iii) como o encerramento das posições vendidas dos grandes investidores institucionais contribuiu para a alta dos preços (movimento conhecido por short-squeeze); iv) o papel dos formadores de mercados externos que compram o fluxo de ordens das corretoras.

Na conclusão, o estudo apresenta algumas reflexões para melhorar o mercado americano. Em particular, destaca a necessidade de aumentar a transparência das operações de venda a descoberto e dos episódios de short-squeeze. Além disso, questiona se as corretoras não estariam exagerando ao estimular que seus clientes negociem ainda mais, questionando ainda se o modelo de negócio com corretagem zero e venda do fluxo de ordens para formadores de mercado seria adequado.

Que lições podemos tirar desse estudo para o mercado brasileiro? O mercado brasileiro é razoavelmente transparente, mais até do que a Bolsa americana. Em sua página, a B3 divulga diariamente as posições vendidas, bem como as taxas de aluguel praticadas. Ponto positivo para ela. Já a corretagem zero e o estímulo à negociação exagerada por parte das corretoras, assim como a monetização do fluxo de ordens (que aqui tem o nome de RLP, Retail Liquidity Provider), são práticas que de fato devemos analisar com cuidado.

Fernando Chague, professor de Finanças na Escola de Economia de São Paulo da FGV


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »