Que tal falarmos do nariz do Luciano Huck? – 08/11/2021 – Ricardo Melo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Confesso que não conhecia, salvo referências indiretas, o trabalho de Marília Mendonça. Gosto de música, meus rádios ficam ligados o dia inteiro, mas o gênero sertanejo nunca foi dos meus preferidos. Não sou hipócrita.

Penitencio-me como jornalista por não me aprofundar em um fenômeno musical internacional. Não para falar bem ou criticar, mas por desconhecer a dimensão da cantora/compositora e tentar entender os motivos de seu sucesso.

Então passei o fim de semana ouvindo alguém que eu desconhecia de fato. Assisti a inúmeros especiais dedicados a alguém que tão jovem foi vítima de tamanha tragédia.

Descobri quanto tempo perdi dedicado à política, bandidos engravatados e candidatos a tanto –embora estes sejam, infelizmente e por dever de ofício, minha matéria prima.

Marília trouxe à tona em suas composições e canções um universo escondido por trás de um machismo insuportável, herdeiro do escravismo e patriarcalismo que até hoje sobrevivem no Brasil.

Veja só: quem melhor interpretava os sentimentos das mulheres, segundo celebravam (e celebram) “especialistas de ocasião”, até então era um homem. Chico Buarque de Hollanda.

Mas nada se compara à cobertura canhestra que telejornais e colunistas de segunda, terceira ou quarta.

Luciano Huck superou-se a si mesmo na própria insignificância no programa deste domingo. “Ela estava tão magrinha”, referindo-se ao shape de Marília. Como se isto fosse o importante na carreira vitoriosa que ela trilhou desde a adolescência.

Sou de uma geração em que as “formas” nos foram impingidas como exemplos de beleza e sucesso.

Felizmente os tempos querem mudar e estão mudando. O empoderamento feminino vem se impondo. Não era sem tempo.

Em séculos passados, o homem gordo e barrigudo era sinal de sucesso. Depois, as modelos anoréxicas viraram exemplo de triunfo. Hoje, pensávamos que o caráter, afeto e o companheirismo tinham superado tudo isto.

Nada disso. Temos Lucianos Hucks espalhados e alimentados por um retrocesso sem precedentes. Gente como JMB (dito Bolsonaro) gabou-se de ter um apartamento em Brasília para “comer gente”.

Imaginem a situação: “apesar do nariz avantajado, perfil discutível, de ser herdeiro de milionários e mal manejar o português, Luciano Huck nos deixou”.

O que falariam nossos “especialistas”?

Angélica que se cuide com a balança.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »