Preste atenção à sua atenção e ao déficit de atenção – 28/10/2021 – Luciano Melo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


William James, filósofo e pioneiro do ensino da psicologia nos Estados Unidos, há 130 anos, deu a nós uma bela síntese: “atenção é tomar a posse pela mente, de um entre muitos objetos ou linha de pensamentos, simultaneamente possíveis”. A moderna neurociência visita William James, quando conceitua: “atenção é a priorização seletiva das representações neurais daquilo que for mais relevante para nossos objetivos”. A priorização é necessária pois o cérebro humano possui uma capacidade limitada de processar as informações.

A forma como experienciamos o mundo é um produto desta seleção. Consequentemente, alguém com atenção anormal terá também a experiência de viver anormal, que emergirá ao lado de sintomas de muitas doenças mentais. Pacientes deprimidos mantêm-se atentos às informações negativas e se fixam em suas recordações melancólicas. Autistas não se atêm aos olhares de seus interlocutores. Quando assistem a cenas de filmes, com intensas interações entre os personagens, concentram-se em aspectos sem importância do cenário, e não às faces dos atores. Esquizofrênicos consideram detalhes sem conexão para compor o enredo do delírio. De tal modo, uma lâmpada piscante na rua é um “óbvio” sinal codificado por alguma força inteligente, avisando sobre uma tragédia iminente.

Há uma condição clínica cuja atenção disfuncional não é um aspecto entre outros, mas a característica fundamental, por isso lhe dá o nome. Trata-se do transtorno do déficit de atenção e hiperatividade (TDAH), antes considerado um distúrbio exclusivo da infância, que desapareceria durante o amadurecimento. Contudo, estudos apontam que cerca da metade das crianças com TDAH carregarão este problema quando adultos.

Como consequência, viverão perdendo as chaves de casa, a carteira, óculos ou quaisquer objetos importantes. Terão pensamentos múltiplos aleatórios que interferirão em raciocínios lógicos, sofrerão dificuldades em terminar trabalhos no prazo, enfrentarão divagações que vão afastá-los das tarefas, esquecerão compromissos, se inquietarão quando deveriam silenciarem-se. Serão classificados como tagarelas, desorganizados, impacientes, descuidados e desleixados.

Estes são os sintomas suspeitos quando se pensa em TDAH, mas há outros tantos, também indiscretos, mas ainda negligenciados. A escrita feia, desleixada, pode ser fruto da desatenção ao traçado. O comportamento jocoso, enquanto se requisita o contrário, pode ser resultado de incapacidade em perceber o rigor do ambiente. O atraso em reagir a um novo evento inesperado pode ser uma dificuldade em acompanhar os efeitos das mudanças. O discurso prolixo, digressivo, pode ter a origem na inabilidade de organizar as ideias.

A atenção é uma atividade cognitiva dinâmica e deve ser assim. O foco em torno da situação presente pode deixar de ser o mais adequado, tão logo aconteça alguma interferência ambiental. Ou quando outra atividade mental, como planejamento, recordação, sentimentos e sensações, apontam uma nova prioridade. A mente, mesmo quando concentrada em algo, vagueia momentaneamente para avaliar as eventuais novidades, que podem ser desconsideradas ou aceitas. Para que este movimento psíquico seja harmônico, é necessário um controle cerebral adequado. Mas a harmonia frequentemente cede a bagunça, quando há o TDAH.

Há algumas considerações sépticas em relação ao TDAH em adultos. O diagnóstico requer lembranças da infância, que podem não ser acuradas. O TDAH é frequentemente considerado como uma invenção, para se desculpar por fracassos, cujas razões seriam outras como indolência, imaturidade e indisciplina. Além destes fatores, outras condições médicas, como depressão e distúrbios do sono, podem produzir sintomas semelhantes.

A despeito destas controvérsias, há de fato adultos que são impulsivos, desatentos e inquietos, tendo estas manifestações como reminiscências do distúrbio infantil persistente. Estes adultos sofrem as consequências destes desajustes, com fracassos no trabalho e na vida social, autoestima baixa, depressão e ansiedade.


Buschman, Timothy J., e Sabine Kastner. “From Behavior to Neural Dynamics: An Integrated Theory of Attention”. Neuron 88, no 1 : 127–44. https://doi.org/10.1016/j.neuron.2015.09.017.

Fischer, Mariellen. TDAH em Adultos – O Que a Ciência Diz – Fischer. 1o ed. Roca, 2013.

Klin, Ami, Warren Jones, Robert Schultz, Fred Volkmar, e Donald Cohen. “Visual Fixation Patterns During Viewing of Naturalistic Social Situations as Predictors of Social Competence in Individuals With Autism”. Archives of General Psychiatry 59, no 9 : 809–16. https://doi.org/10.1001/archpsyc.59.9.809.

Mennen, Anne C, Kenneth A Norman, e Nicholas B Turk-Browne. “Attentional Bias in Depression: Understanding Mechanisms to Improve Training and Treatment”. Current Opinion in Psychology, Attention & Perception, 29 : 266–73. https://doi.org/10.1016/j.copsyc.2019.07.036.

Spencer, Thomas, Joseph Biederman, Timothy E. Wilens, e Stephen V. Faraone. “Adults With Attention-Deficit/Hyperactivity Disorder: A Controversial Diagnosis”. The Journal of Clinical Psychiatry 59, no suppl 7 : 0–0.

Volkow, Nora D., e James M. Swanson. “Adult Attention Deficit–Hyperactivity Disorder”. New England Journal of Medicine 369, no 20 : 1935–44. https://doi.org/10.1056/NEJMcp1212625.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »