Ouro Preto traz história de Minas Gerais impressa, como um palimpsesto – 12/01/2022 – Tom Farias

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Passei um final de semana em Ouro Preto. Foi uma viagem inesquecível. Eu já conhecia essa histórica cidade mineira. Estive nela algumas vezes, para trabalho e passeio. Desta vez, nessa viagem nova, foi diferente. Eu curti a cidade, com suas ladeiras, ruas estreitas e casarões do século 18, plenamente conservados.

Eu gosto muito de história e arquitetura. Aprecio andar a pé por onde vou a viajar. Posso me considerar um andarilho. Duas amigas minhas estão nesse momento pela Colômbia –Valéria Lourenço e Rebecca Aletheia, esta cognominada de “negra viajante”. Valéria também não fica para trás: já percorreu vários países africanos, resultando dessa experiência o belo livro de poemas “Aya’Ba” (Caos & Letras Editora, 2021).

No caso de Ouro Preto foi bem diferente desta vez. Eu não percorri a cidade feito um turista. Qualquer pessoa que se aborda e de quem se despede devolve: “bom passeio”. Às vezes dá no saco isso, mas é parte da hospitalidade. Vivi particularmente uma aventura, tanto na ida, saindo de Belo Horizonte, onde passei uma bela tarde com o amigo Afonso Borges, tanto na volta, seguindo, depois, para o destino traçado.

Minas Gerais é tão grande e tão complexo. Imagina que, já partindo do terminal rodoviário Governador Israel Pinheiro, inaugurado em 1971, como “o maior e mais moderno da América Latina”, hoje ultrapassado, comecei a viver meu drama. Estamos falando do estado com maior número de municípios da federação, 853, deixando para trás São Paulo, com 645, e Rio Grande do Sul, com 497.

Eu não consegui pegar o ônibus da Pássaro Verde (única empresa que faz o trecho Belo Horizonte-Ouro Preto). O tumulto, a partir do guichê, deixava qualquer investida e espera temerosas. Segui de táxi: o valor da corrida é aproximadamente dez vezes maior do que a passagem dessa condução.

A chegada a Ouro Preto, uma hora e meia depois, me aliviou, após o grande estresse. Fui recebido pelo casal Rosane Soares e Deivid Dias –ele “músico natural”, da terra, da cidade; ela, “psicóloga empreendedora”, uma carioca que fala um “mineirês” bem arretado e gostoso. Me hospedaram quase amigavelmente na pousada Minas Gerais, confortável e requintada.

Deixei de chorar o mal destino que estava tendo e fui gozar a boa vida ouro-pretana. A comida local, servida no restaurante Mr. Chef, e a sua cachacinha são as iguarias que mais me atraem. Eu me farto. Com o casal atuando como bons cicerones, desanuviou-me o clima pessimista adquirido pelo trajeto. Percorri as ruas, batendo o meu chinelo pelo calçamento centenário. Tenho satisfação de fazer isso. Outra coisa que me conforta: tocar nas paredes dos edifícios, onde está impressa, como um palimpsesto, toda a história de Minas Gerais ao tempo da riqueza —exploração do ouro, tráfico de escravos, Inconfidência Mineira. É algo que me fascina bastante.

Duas coisas ainda destaco de positivo nessa viagem de um final de semana, que, todos sabem, não dura nada: a visita à mina de Chico Rei, onde conheci a matriarca Marize, que me filou um charuto, e o atual dono do local, explorado turisticamente, Tuninho da Mina. O outro destaque foi a festa de aniversário do jovem influencer Thiago Henrique, realizada na casa onde morou uma parenta de Marília de Dirceu. Imagina uma festa onde os convidados chegam com as bebidas, sentam-se às mesas dispostas e são servidos pelo anfitrião? É isso mesmo. Fora as canjas, já que a maioria dos convidados é da música local —um pot-pourri que vai da MPB ao pior sertanejo. Uma diversão. Acrescento o arrasta-pé dos casais. Sensacional.

Mas minhas últimas horas na cidade foram, de novo, dramáticas. Primeiro porque eu não tinha comprado as tais lembrancinhas. E dá-lhe subir e descer ladeiras. A outra foi a compra da passagem de volta. A rodoviário de Ouro Preto simplesmente não existe. Para piorar, a empresa Útil, que me traria para São Paulo, tinha o sistema de bilhetes travado, o que me obrigou a pagar duas vezes uma mesma passagem (e cara), para embarcar à noite em um ônibus executivo, com banheiro fedido, parador e desconfortável. Foram 12 horas de sufoco e muito cansaço na chegada. Até agora não fui restituído do reembolso prometido.

Tirando isso, estou doido para voltar a Ouro Preto, fazendo o caminho de Belo Horizonte, onde tenho muitos amigos, como a artista plástica Bebel Miranda e o escritor Eduardo de Assis Duarte.

Aguardem por mim, cidades históricas e amigos de todos os tempos. Em breve, o bom viajante retorna ao torrão mineiro.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »