O que a picanha do Faraó dos Bitcoins diz sobre a polícia brasileira – Cozinha Bruta


O estelionatário Glaidson Acácio dos Santos, conhecido como “Faraó dos Bitcoins”, foi transferido de cadeia depois que encontraram, na sua cela, peças de picanha maturada, linguiça e aparelhos de celular.

O tal faraó foi preso em Cabo Frio, litoral fluminense, por aplicar um golpe de pirâmide financeira envolvendo criptomoedas. Depois de melarem seu churrasco piramidal, foi levado à prisão de segurança máxima Bangu 1, no Rio.

A picanha do faraó diz mais sobre a polícia brasileira do que sobre o detento nilótico.

Como 5 quilos de carne passam em qualquer inspeção? Não dá para –perdão para a grosseria, mas é um procedimento habitual em presídios– escondê-los em nenhum orifício do corpo. Alguém precisou deixar entrar.

Onde o rei do Egito guardava a carne? Certamente não sob o colchonete, pois iria estragar em 15 minutos no calor saariano de Bangu. Ele precisou de uma geladeira ou, no mínimo, de um isopor com gelo. Alguém precisou fornecer o gelo.

Para desfrutar da picanha, o faraó precisaria assá-la. Um churrasco numa cela dificilmente é algo discreto. Ele precisaria de carvão, uma grelha e carcereiros compadres para confraternizar e dividir o repasto.

Por último, não nos esqueçamos de que Glaidson foi preso por um crime e é, portanto, presumível que ele tentasse cometer outros delitos dentro do presídio. Os carcereiros estão lá para evitar tais delitos, não para abanar a brasa do faraó.

(Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais.  Acompanhe os posts do Instagram, do Facebook  e do Twitter.)



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »
%d blogueiros gostam disto: