‘No Brasil não dá’: Sem apoio, jovens cursam medicina no exterior – Notícias

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS



Estudar medicina no Brasil é um grande desafio para muitos estudantes. O alto custo das mensalidades em faculdades particulares ou a concorrência por vagas nas universidades públicas faz com que os jovens brasileiros busquem realizar o sonho estudando no exterior.


É o que conta Beatriz Carmelo, 22 anos, ao R7. Paulista, a jovem é aluna do 2º ano de medicina na UAI (Universidad Abierta Interamericana) na Argentina. “No Brasil, não dá”, diz. “Escolhi estudar medicina na Argentina porque no Brasil o valor da mensalidade é altíssimo e passar em universidades públicas é muito difícil, precisa ter feito um bom cursinho pré-vestibular”, avalia.



Com bolsa parcial de estudos na UAI, a aluna lembra dos desafios que enfrentou quando decidiu estudar na Argentina.” No começo pensei que não conseguiria. Os nativos falam rápido, o que requer um treino para nossos ouvidos”, diz. “Medicina é um curso muito complexo, agora imagina em outro idioma?!”.


Beatriz pretende validar o diploma no Brasil para exercer a profissão aqui. “A situação econômica e política atual da Argentina é muito crítica, pretendo voltar e ficar perto da minha família. No Brasil, a profissão é muito mais valorizada e reconhecida”, completa.


Para exercer a medicina no Brasil, os estudantes que obtiveram diploma em uma universidade estrangeira devem fazer as provas do Revalida (Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira). “Obviamente que o Revalida não é uma prova fácil, mas se levarmos a faculdade com seriedade, não é nenhum ‘bicho de sete cabeças'”, conclui a jovem.



Lorrayne Carolline Rosa Anastásio, 34 anos, cresceu em Brasília (DF). Graduada em matemática, hoje estuda medicina na Universidade Estatal de Sófia, na Bulgária. A jovem optou por cursar a faculdade em outro país para vivenciar novas experiências curriculares. “Sabemos que a concorrência para o curso de medicina no Brasil é grande, seja em instituição pública ou privada”, relata.


Ainda, de acordo com Lorrayne, “para os búlgaros a educação é igualitária, todo cidadão tem o direito ao acesso a uma educação de qualidade”. Lorrayne usa o inglês para os estudos, mas também fala russo e búlgaro.


“É um país muito bonito, a história é muito interessante assim como a cultura e a população é muito calorosa com os estrangeiros”, conta. Após a conclusão do curso de medicina, ela pretende retornar para o Brasil. “Tenho planos para conciliar a carreira médica com a de docente, quero retomar as salas de aulas para ajudar na formação de futuros médicos”, finaliza.


Já a carioca Fernanda Carvalho, 27, saiu de São João do Meriti (RJ) para estudar medicina na Rússia. Apaixonada pela área médica, a jovem conquistou uma bolsa de estudos na Peoples’ Friendship University of Russia, em Moscou.



Segundo a jovem, as facilidades encontradas para estudar fora se tornaram oportunidades. “Na Rússia, não tem exigência de certificados de fluência da língua, a moeda é mais valorizada que o euro, o custo de vida é menor e não precisava comprovação de renda para entrada no país”, diz.


Ainda, de acordo com a estudante, revalidar o diploma no Brasil após a formação não é prioridade. “Depois que você tem a oportunidade de conhecer outro país, sua percepção sobre qualidade de vida muda”, diz. “Eu me sinto muito segura na Rússia, fora que o custo de vida é bem menor que no Brasil”.








Do Rio Grande do Norte para Eslováquia








Galileu Galilei Serafim de Oliveira, 28 anos, é formado em medicina pela Universidade Médica Eslovaca de Bratislava. Natural de Mossoró (RN), o jovem médico trabalha no Hospic Milosrdných sestier v Trenčíne na Eslováquia.


Envolvido também com projetos e pesquisas na área médica, Galilei diz no momento que não tem intenção em voltar para o Brasil. “O Brasil é um país com grande potencial e com excelentes profissionais, mas aqui eu tenho a oportunidade de conciliar minha carreira e os estudos com qualidade de vida”. 


A Eslováquia faz parte do Espaço Schengen (nome dado a área formada por 26 países europeus que regulamenta a livre circulação de pessoas, bens, serviços e capitais entre seus membros). “E isso possibilita a troca de conhecimento entre os países, — essa é a grande vantagem, principalmente para mim que almeja a carreira médica e pesquisas científicas.








Revalida







O número de inscrições na edição do Revalida 2020 aumentou em 114% comparado ao ano de 2017. De acordo com o Inep (Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira) responsável pela aplicação do exame, foram 15.482 inscritos na edição de 2020, enquanto 7.380 cadastros foram aprovados em 2017. 


O Revalida subsidia o processo de revalidação dos diplomas de médicos que se formaram no exterior e querem atuar no Brasil. O exame é direcionado tanto aos estrangeiros formados em medicina fora do Brasil quanto aos brasileiros que se graduaram em outro país e querem exercer a profissão no país de origem.


O processo avaliativo é dividido em duas etapas eliminatórias aplicadas em momentos distintos: provas escritas e prova de habilidades clínicas. O Exame é fundamentado na demonstração de conhecimentos, habilidades e competências necessárias ao exercício da medicina. A aprovação nas duas etapas da avaliação é um demonstrativo da competência técnica (teórica e prática) do médico graduado para o exercício profissional.


Com abertura de fronteiras veja dicas para planejar um intercâmbio



*Estagiário do R7 sob supervisão de Karla Dunder

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »