NASA quer que indústria clone seu foguete pela metade do preço

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Espaço

Redação do Site Inovação Tecnológica – 28/10/2021

NASA quer que indústria clone seu foguete pela metade do preço

O foguete SLS é a base de todos os futuros programas de exploração espacial da NASA, tripulados ou não.
[Imagem: NASA]

Pechincha espacial

A NASA lançou um chamamento à indústria aeroespacial que é, para dizer o mínimo, curioso.

A agência espacial quer que alguém se habilite a clonar, fabricar e lançar seu novíssimo foguete SLS – que ainda não foi ao espaço -, desde que faça isso pela metade do preço.

O SLS (Space Launch System) está sendo desenvolvido e fabricado pela Boeing desde 2011, já tendo custado três vezes mais do que os US$ 10 bilhões inicialmente projetados.

O problema é que esse custo envolveu apenas o desenvolvimento e a fabricação do primeiro protótipo. Para fabricar novos foguetes – o SLS não é reutilizável – e enviá-los ao espaço levando uma tripulação uma vez por ano, o custo estimado é de mais US$ 2 bilhões anuais.

É esse custo que a NASA quer cortar pela metade – sem cobrar nada pelos US$ 30 bilhões já gastos no desenvolvimento do protótipo.

“Especificamente, as respostas devem se concentrar em fornecer informações sobre como alcançar um empreendimento ESD [desenvolvimento de sistemas de exploração] acessível à medida que ele passa do desenvolvimento para a produção, operação e manutenção, assim que possível. Isso disponibilizará recursos para outras partes do programa Artemis para desenvolver as capacidades necessárias para missões sustentáveis que levem a uma presença humana permanente na Lua e no espaço profundo,” disse a agência em nota.

Privatização

Quem se habilitar e conseguir reduzir o preço pela metade poderá contar com contratos de longa duração, já que a NASA afirmou esperar usar o SLS por pelo menos 30 anos. Além disso, a empresa não apenas poderá, como deverá disponibilizar o foguete para outras agências espaciais ou para empresas privadas interessadas.

Os principais objetivos a serem alcançados pelas empresas candidatas são:

  1. Passar o projeto para um sistema contínuo de produção em que a indústria se responsabilizará pela produção dos foguetes e do hardware de voo, além de operar os serviços terrestres;
  2. garantir uma economia mínima de 50% por custo de voo para a produção, operações e custos de manutenção, com pelo menos um voo de carga por ano. Os custos devem incluir a espaçonave Órion, a carga útil e a integração;
  3. capacidade para construir e lançar pelo menos dois outros foguetes para clientes adicionais, incluindo outras agências governamentais, parceiros internacionais e entidades comerciais.

Carga menor

O Sistema de Lançamento Espacial (SLS) é o que a NASA chama de um “foguete classe exploração”. Seu primeiro lançamento, levando uma cápsula Órion, está previsto para ocorrer até o final de 2022.

O projeto original previa que este primeiro protótipo deveria ser capaz de levar até 70 toneladas para a órbita baixa da Terra, com uma versão chegando a até 130 toneladas, para permitir ir à Lua e Marte.

A solicitação da NASA, feita agora, porém, se contentará com uma capacidade de ascensão de 40 toneladas.


Seguir Site Inovação Tecnológica no Google Notícias

Outras notícias sobre:

Mais tópicos

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »