Lagosta para os pobres – Cozinha Bruta


O acará só queria camarão.

Todos os outros peixes do aquário comiam ração seca em flocos, mas o acará-disco não dava a menor pelota para ela.

Para interromper a greve de fome do ciclídeo, minha mãe sugeriu que lhe déssemos camarão. Funcionou.

O acará de paladar fino virou piada na minha casa –eu tinha 12 ou 13 anos na época. O impacto da dieta do peixe no orçamento doméstico era, contudo, desprezível: ele comia alguns pedacinhos por dia de camarão miúdo, do tipo mais barato.

O camarão como alimento de peixes de aquário é, por sinal, muito comum. Tem até um tipo que você cria num tanquinho à parte, para oferecer vivo aos lebistes e betas de estimação.

É a artêmia, gênero endêmico de lagos salgados continentais. São crustáceos minúsculos, tão pequenos que não dá para examinar um indivíduo a olho nu. Em bando, parecem uma nuvem de mosquitos aquáticos.

No século passado, ovos de artêmia eram vendidos sob o nome “kikos marinhos”, como se fossem gerar diminutas criaturas com inteligência superior. Uma obra-prima da empulhação. Mas voltemos à ração.

Tem camarão também em algumas rações de gato. Camarão e atum, quase uma barca de sushi para os bichanos.

Gato persa pode comer camarão. Peixe de aquário pode comer camarão. Só pessoas pobres não podem comer camarão.

Não surpreende ninguém a indignação ante a foto de Wagner Moura comendo camarão num evento dos sem-teto. É só mais um chilique de preconceito e ignorância da elite jeca do Brasil.

Essa turma acha ok dar ração assinada pelo Erick Jacquin para o lulu-da-pomerânia, mas sobe nas tamancas quando uma doméstica compra passagem de avião.

Acha natural celebrar a especulação financeira com uma vaca amarela de fibra de vidro enquanto desempregados reviram o lixo atrás de ossos.

Aliás, acha ótimo que a fome tenha frito baixar o custo do trabalho braçal. Tudo bem que a inflação e o câmbio dobraram o preço do vinho: é apenas um percalço na restauração do Brasil dos homens de bem, vamos beber a isso.

Esse pessoal acha que a Bahia é o Quadrado de Trancoso e que acarajé é uma iguaria exótica para dias de festa.

Mal sabe essa gente que o camarão defumado, mirrado e cascudo que vai no acarajé é vendido pela bacia nas feiras de Salvador.

Camarão é um bicho carniceiro, coprófago, parece uma barata que passa a vida nadando em pé. Não sei por que tanto fetiche. Porque a carne é deliciosa, talvez?

Nada irrita mais o tutor de lulu-da-pomerânia do que um pobre se alimentando bem e com gosto. Daí achar um acinte que a refeição servida na ocupação do MTST incluísse camarão.

Um efeito positivo do episódio é a reação contra o absurdo. Uma galera arrecadou doações para promover uma camarãozada (sim, inventei a palavra) numa ocupação do Jardim Iguatemi, zona leste profunda. Vai ser neste domingo (21).

É provocação? Evidente que sim!

Que sirvam lagosta para os pobres da próxima vez.

(Siga e curta a Cozinha Bruta nas redes sociais.  Acompanhe os posts do Instagram, do Facebook  e do Twitter.)



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »