Guia do filtro solar: como escolher o produto certo neste verão – Notícias

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS



A exposição ao sol – especialmente agora durante o verão – sem a proteção adequada da pele pode causar danos imediatos, como queimaduras, ou de longo prazo, como câncer. Por isso é fundamental reforçar nesta época do ano a importância do uso correto do filtro solar.


O Brasil tem alta incidência de radiação UV (ultravioleta) durante todo o ano e que, obviamente, intensifica-se a níveis perigosos no verão.


Segundo a SBD (Sociedade Brasileira de Dermatologia) foram registrados 205 mil novos casos de câncer de pele no país entre 2013 e 2021. Queimaduras de sol ao longo da vida aumentam significativamente o risco destes tipos de tumores no futuro.


A prevenção envolve evitar a exposição ao sol e o uso de filtro solar sempre que estiver ao ar livre, especialmente em ambientes como praia e piscina.


“Existe uma falsa ideia de que o câncer de pele é um cancerzinho, mas não é. O melanoma tem índices de letalidade razoavelmente altos. E os outros, apesar de não serem tão letais, têm o que a gente chama de alta morbidade. Desfiguram as pessoas, tem que fazer cirurgias que muitas vezes as deixam esteticamente disfuncionais porque não se cuidaram. A fotoproteção é um fator-chave para evitar o câncer de pele”, alerta o médico Sérgio Schalka, especialista da SBD e coordenador do Consenso Brasileiro de Fotoproteção.


Filtro, protetor ou bloqueador?


No Brasil, produtos com a denominação “bloqueador solar” não são mais autorizados a serem vendidos, explica Schalka.


“Bloqueador solar dava uma ideia de bloqueio total da radiação solar, o que não acontece com nenhum produto.”


Os termos admitidos são: protetor solar, filtro solar ou fotoprotetor, que acabam sendo sinônimos, sem que haja diferença no fator de proteção.



FPS




Toda embalagem de protetor solar vem com um número, que é o FPS (fator de proteção solar). Trata-se de um denominador obtido após um cálculo.


A equação divide a quantidade de energia solar (radiação ultravioleta) necessária para produzir queimaduras solares na pele protegida (ou seja, na presença de filtro solar) em relação à quantidade de energia solar necessária para produzir queimaduras solares na pele desprotegida.


Em termos práticos, um FPS elevado garante uma proteção maior do que um FPS baixo. A Anvisa (Agência Nacional de Vigilância Sanitária) autoriza que estes produtos variem entre FPS 6 e FPS 99.


“Por causa dos vários fatores que afetam a quantidade de radiação solar, o FPS não reflete o tempo ao sol. Em outras palavras, o FPS não informa o consumidor sobre o tempo que pode passar ao sol sem sofrer queimaduras”, destaca a FDA (Agência de Medicamentos e Alimentos dos EUA).


Como escolher o fator de proteção


Schalka ressalta que a SBD e o Consenso Brasileiro de Fotoproteção preconizam que o mínimo seja o FPS 30 (entenda o motivo no próximo tópico).


Algumas variáveis precisam ser consideradas na hora de escolher o protetor:


• O tipo de pele da pessoa: indivíduos com pele clara vão precisar de um fator de proteção mais elevado. Quem tem uma pele morena pode optar por um FPS próximo de 30.


• Quanto tempo a pessoa vai permanecer no sol: longos dias de praia vão exigir um fator de proteção mais robusto, diferentemente do uso no dia a dia, em que ficamos menos tempos expostos à radiação ultravioleta intensa.


• A hora do dia em que a exposição ao sol ocorre. Segundo a FDA, a energia solar que incide sobre a pele durante uma hora às 9h é a mesma de 15 minutos no sol do meio-dia.


• O tempo de reaplicação: o especialista da SBD diz que o ideal, em um dia de praia ou piscina, é passar o protetor a cada duas ou três horas ou após muitos minutos dentro da água, já que até mesmo os produtos resistentes à água têm limitações quando ficamos muito tempo submersos.


• A quantidade de produto usada: este fator, segundo Schalka, é o que mais vai interferir positivamente ou negativamente na efetividade do protetor solar.



Quantidade de protetor




“As pessoas não aplicam protetor da forma perfeita, como ele deveria ser usado. Quando você compra um protetor de FPS 30, ele não vai entregar os 30 se você não usar do jeito adequado, tem uma perda disso”, observa o dermatologista.


Ele concluiu, em uma tese de pós-graduação, que o ideal para uma pessoa obter a proteção oferecida na embalagem é usar 2 mg/cm² de pele do creme ou loção.


“Isso representa, na prática, em média, de 35 g a 40 g para uma pessoa de 70 kg. É bastante, as pessoas não fazem nem de longe.”  Seria o mesmo que usar de uma única vez um terço de um frasco de protetor solar de 120 ml.


Caso se aplique metade, 1 g/cm², o que ainda é bastante, um FPS 30 se torna o equivalente a um FPS 10.


Como praticamente ninguém faz isso, existe a recomendação de FPS mais elevados para alguns tipos de pele e reaplicações sempre que possível.



Tipo de produtos




Creme, gel creme, sérum, spray… As formas de apresentação dos filtros solares são diversas, inclusive algumas focadas no rosto ou no corpo, acrescenta o dermatologista.


“Normalmente, o protetor para o rosto tem que ter uma cosmética mais elaborada. O brasileiro tem pele mais oleosa, então são produtos mais sequinhos, que não deixam muito brilho, grudento. Portanto, pode ter um perfil de espalhabilidade diferente. O produto para o corpo o ideal é que seja mais fácil de espalhar, porque tem mais área, que consiga cobrir melhor áreas com pelos.”


Ele ressalta que o ingrediente que protege a pele, todavia, é o mesmo em todos eles. A diferença vai ser sensorial, na forma de aplicar e como a pele fica após o uso.


No caso do spray, o médico pondera que ele também tem o mesmo fator dos cremes, mas se for aplicado em pouca quantidade, vai oferecer uma proteção menor.


“Se a pessoa fizer a aplicação ideal, tem que aplicar como se estivesse pichando uma parede, em ziguezague. Para economizar, as pessoas dão umas poucas borrifadas e espalham com a mão. Isso perde a formação daquela película. Ele acaba funcionando pior por conta das pessoas não aplicarem da forma perfeita.”


A sugestão de Schalka é que se use um protetor em creme antes de sair para a praia ou para a piscina no corpo inteiro, já com a roupa de banho ou nu.


“Passe uma camada generosa de protetor solar. Você já começa bem-protegido. E aí, na praia, que é mais difícil passar creme, gruda na areia e aquela coisa toda, um spray funciona bem para essa reaplicação.”


Outro uso indicado do spray é para o couro cabeludo, principalmente em quem tem pouco cabelo. O médico alerta que essa é uma área comumente esquecida em que é comum aparecer alguns tumores de pele.


“O creme vai deixar o cabelo melecado e a pessoa não vai gostar. O spray não é perfeito, deixa um pouco craquelento, mas dá uma disfarçada depois que seca. E eu sempre reforço para usar boné. As duas coisas, porque na hora que vai dar um mergulho no mar e tira o boné, tem o protetor lá para ajudar.”


Lábios


Além do couro cabeludo, os lábios são outro local do corpo em que muita gente não se preocupa em proteger.


“Não é porque o lábio não queima que não está propenso a ter problema”, adverte o médico ao ressaltar que um problema que pode ocorrer é a queilite actínica, um tipo de degeneração da pele do lábio pelo sol que predispõe ao câncer de pele.


A proteção pode ser feita com o mesmo produto usado para o rosto ou para o corpo. Porém, para evitar o gosto do protetor na boca, existem bastões com filtro solar que cumprem essa função.



Cápsulas de proteção solar




Embora sejam vendidas na Europa há algumas décadas, as cápsulas para proteção contra os danos causados pelos raios ultravioleta são relativamente novas no Brasil.


Este tipo de produto é produzido a partir de uma planta, a Polypodium leucotomos, que tem a capacidade de reduzir os danos da radiação que ainda consegue ultrapassar a barreira do filtro solar e agride o DNA das células, gera radicais livres e interfere nas defesas da pele.


“É um mecanismo de proteção secundário, nunca deve ser usado exclusivamente. Tem que ser usado em combinação com protetor solar tópico. Pessoas com pele sensível, muito claras, histórico de câncer de pele dela ou na família, problemas de manchas de envelhecimento, a gente recomenda no consultório associar esse produto ao protetor solar tópico”, acrescenta o dermatologista.



Cuidados não são só no verão




Por fim, cabe ressaltar que os cuidados com a proteção da pele não devem ser uma exclusividade dos dias de verão.


“Protetor solar é um produto que não é barato, por vários motivos, mas é um produto de saúde, não é só bem-estar, antienvelhecimento”, enfatiza Schalka.


Segundo ele, estudos mostram que cerca de 70% da radiação que tomamos durante a vida são de atividades rotineiras.


“No dia a dia pode usar um produto com um FPS um pouco menor. Não vai passar em uma área em que está com roupa, mas rosto especialmente, a gente recomenda passar pelo menos de manhã e reforçar na hora do almoço. Isso já dá um ganho de proteção expressivo com o passar dos anos. As mulheres se adaptaram já mais a isso porque elas colocam o protetor solar diário em uma rotina de cuidados do dia a dia. Mas para a maioria dos homens, isso ainda tem mais resistência”, finaliza.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »