Guerra na Ucrânia: como Força Aérea de Kiev combate jatos russos – 23/03/2022 – Mundo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Pilotos ucranianos como Andri ficam à espera todas as noites num hangar de aeronaves, em local não revelado, até a tensão ser rompida com um comando aos gritos: “Ao ar!”.

Andri embarca correndo em seu jato supersônico Su-27 e logo o leva para a pista, levantando voo imediatamente. Ele decola tão rapidamente que ainda nem sabe qual será sua missão para aquela noite, ainda que o contexto geral seja sempre o mesmo: combater uma força aérea russa vastamente superior em números, mas que ainda não conseguiu ganhar o controle do céu ucraniano.

“Não faço verificações de segurança”, disse Andri, piloto da força aérea ucraniana que, como condição para dar a entrevista, não foi autorizado a informar seu sobrenome ou patente. “Simplesmente decolo.”

Passado quase um mês desde o início dos combates, uma das maiores surpresas da guerra na Ucrânia vem sendo o fato de a Rússia não ter derrotado a Força Aérea ucraniana. Analistas militares previam que as forças russas destruíssem ou paralisassem as defesas aéreas ucranianas em pouco tempo, mas não ocorreu nem uma coisa nem a outra. Em vez disso, combates aéreos entre aviões inimigos, ao estilo de “Top Gun – Ases Indomáveis”, raros em guerras modernas, estão sendo travados nos céus do país.

“Cada vez que decolo é para um combate para valer”, afirma Andri, 25, que já atuou em dez missões na guerra. “Não há igualdade de condições nos combates. Eles sempre têm cinco vezes mais” aviões no ar.

O sucesso dos pilotos ucranianos tem ajudado a proteger soldados em terra e a evitar bombardeios maiores nas cidades, porque os pilotos já interceptaram alguns mísseis de cruzeiro russos. Autoridades ucranianas dizem também que as forças do país já derrubaram 97 aeronaves russas de asas fixas. Esse número não pôde ser verificado, mas destroços de caças russos já caíram sobre rios, campos e casas.

A Força Aérea ucraniana opera em sigilo quase total. Seus caças podem decolar de pistas no oeste do país, de aeroportos bombardeados mas que conservam pista suficiente para permitir aterrissagens ou decolagens. Podem até decolar de rodovias. Estão em desvantagem numérica imensa: acredita-se que a Rússia coloque no ar cerca de 200 missões aéreas por dia, enquanto a Ucrânia lança de cinco a dez.

Mas os pilotos ucranianos possuem uma vantagem. Na maior parte do país, os aviões russos sobrevoam território controlado pelas forças militares ucranianas, que podem deslocar mísseis antiaéreos para atacar aviões. “A Ucrânia tem sido eficaz no céu porque operamos em nosso próprio país”, disse o porta-voz Yuri Ihnat. “O inimigo que entra em nosso espaço aéreo está entrando na zona de nossos sistemas de defesa aérea.” Ele descreveu a estratégia como sendo a de atrair aviões russos para armadilhas de defesa aérea.

Dave Deptula, diretor do Instituto Mitchell de Estudos Aeroespaciais e planejador principal dos ataques da campanha aérea Tempestade no Deserto, no Iraque, disse que o desempenho impressionante dos pilotos ucranianos tem ajudado a compensar a desvantagem numérica. Segundo ele, a Ucrânia hoje possui cerca de 55 caças operacionais, número que vem diminuindo devido aos aviões derrubados e a falhas mecânicas que ocorrem porque os pilotos ucranianos “exigem performance máxima” de seus aviões.

O presidente Volodimir Zelenski tem feito vários apelos a governos ocidentais para reabastecerem a Força Aérea ucraniana e tem pedido que a Otan imponha uma zona de exclusão aérea sobre o país, medida que os líderes se negam a adotar. Eslováquia e Polônia estudam enviar caças MiG-29, que pilotos ucranianos poderiam usar com treinamento adicional mínimo, mas ainda não foi feita qualquer transferência.

“As tropas russas já dispararam quase mil mísseis e bombas incontáveis contra a Ucrânia”, disse Zelenski em 16 de março, falando por vídeo ao Congresso americano e apelando por mais aviões. “E vocês sabem que eles existem e que vocês os possuem, mas estão em terra, não na Ucrânia –no céu da Ucrânia.”

Deptula disse que a transferência desses jatos é crucial. “Se não receberem novos aviões, os aviões deles vão acabar antes que se acabem os pilotos”, comentou. Drones não pilotados também são uma ferramenta do arsenal militar ucraniano, mas não participam da batalha pelo controle do espaço aéreo.

A Ucrânia utiliza um drone de fabricação turca, o Bayraktar TB-2, uma aeronave lenta, de hélice, que é letalmente eficaz na destruição de tanques ou canhões de artilharia em terra, mas não consegue atingir alvos no ar. Se as defesas aéreas ucranianas falharem, os jatos russos poderão derrubar os drones.

Como é o caso de outros aspectos do esforço de guerra ucraniano, voluntários desempenham um papel nas batalhas aéreas. Uma rede de voluntários observa e escuta os jatos russos, informando coordenadas, velocidade e altitude estimadas. Outros pilotos ucranianos comerciais tiraram modernos equipamentos de navegação civil de seus aviões e os entregaram à Força Aérea, caso possam ser úteis.

Combates ar-ar são raros em guerras modernas, e houve apenas alguns exemplos isolados disso nas últimas décadas. Pilotos americanos, por exemplo, não realizam missões extensas de combate aéreo contra outros aviões desde a primeira Guerra do Iraque, em 1991. Desde então, caças americanos travaram combates ar-ar em apenas algumas poucas ocasiões, tendo derrubado dez aviões durante as Guerras dos Bálcãs e um avião na Síria, de acordo com Deptula.

Andri diz que nas missões noturnas ele usa instrumentos para detectar as posições de aviões inimigos e afirma já ter derrubado jatos russos, mas não foi autorizado a informar quantos ou de qual tipo. Disse que seu sistema de direcionamento a alvos é capaz de disparar contra aviões a algumas dezenas de quilômetros de distância. “Geralmente sou encarregado de atingir alvos que estão voando, de interceptar jatos inimigos”, disse. “Espero meu míssil identificar o alvo. Então pressiono ‘disparar’.”

Ele contou que, quando derruba um jato russo, fica feliz, “porque esse avião não vai mais bombardear minhas cidades pacíficas”. “Como vemos na prática, é exatamente isso o que os jatos russos fazem.”

Os enfrentamentos aéreos na Ucrânia têm sido na maioria dos casos noturnos, já que os aviões russos atacam no escuro, quando ficam menos vulneráveis às defesas antiaéreas. Andri disse que nos combates na Ucrânia os russos vêm usando uma série de jatos modernos Sukhoi como Su-30, Su-34 e Su-35.

“Já estive em situações em que me aproximei de um avião russo, a uma distância suficiente para poder mirar e disparar”, disse. “Eu já podia detectar o avião, mas estava esperando meu míssil identificar o alvo, ao mesmo tempo que o controle em terra me avisava que um míssil já tinha sido disparado contra mim.”

Ele disse ter feito uma série de manobras extremas de inclinação, mergulho e subida com seu jato para esgotar o suprimento de combustível dos mísseis que estavam vindo contra ele. “O tempo que disponho para me salvar depende da distância da qual o míssil foi disparado contra mim e do tipo de míssil”, disse.

Mesmo assim, contou, “ainda sinto uma onda enorme de adrenalina no corpo, porque cada voo é um combate”. Andri decidiu tornar-se piloto quando era adolescente e se formou na Escola da Força Aérea em Kharkiv. “Nem eu nem meus amigos jamais pensamos que teríamos que encarar uma guerra de verdade”, comentou. “Mas as coisas não saíram como prevíamos.”

Ele levou sua mulher para viver numa região mais segura da Ucrânia, mas disse que ela não deixou o país. Ela passa o tempo costurando redes de camuflagem caseira para o Exército. Andri disse que nunca conta a familiares quando está saindo numa missão. Apenas telefona a eles quando retorna de um voo noturno.

“Só preciso usar minhas habilidades para vencer”, disse Andri. “Sou mais hábil que os russos. Por outro lado, muitos de meus amigos, mesmo os que tinham mais experiência que eu, já morreram.”

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEPTAR
Aviso de cookies
Translate »