Globo Repórter mostra o valor da reciclagem para a população e o meio ambiente | Globo Repórter

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


O Globo Repórter desta sexta-feira (18) mostrou como o reaproveitamento dos mais diferentes materiais está gerando renda para brasileiros e ajudando a preservar o planeta.

Em São Paulo, a maior cidade do país e também a maior produtora de resíduos, com 12 mil toneladas por dia, a repórter Ana Paula Campos acompanhou o dia a dia de catadores, responsáveis por recolher cerca de 80% do que é reciclado no Brasil.

O Globo Repórter mostra quem está por trás de cerca de 80% do que é reciclado — Foto: Globo Repórter

Oficialmente, o país tem 332 mil trabalhadores no setor de limpeza. Mas nessa conta não entra a enorme força de trabalho informal dos catadores, mão de obra que se multiplicou com a pandemia e que tira da reciclagem o próprio sustento.

Anne e o marido são catadores na cidade de São Paulo — Foto: Globo Repórter

Como a catadora Anne, que compartilha nas redes sociais suas experiências, faz projetos sociais e dá dicas de descarte responsável. Ela encontrou na reciclagem uma oportunidade, e hoje já tem mais de 100 mil seguidores.

Anne faz conteúdos para conscientizar seguidores — Foto: Globo Repórter

O programa também mostrou que o único aterro sanitário da Prefeitura de São Paulo está com os dias contados. A vida útil da área, que é gigantesca, deve ir até 2026. Caminhões fazem fila para descartar lixo no local.

Já no litoral norte de São Paulo, em Ilhabela, Ana Paula Campos mostrou um programa que transforma bitucas de cigarro em papel reciclado. Todos os anos, dois milhões de toneladas de restos de cigarro vão parar nos oceanos. Uma única bituca tem mais de sete mil componentes químicos e metais pesados — e mesmo assim é reciclável. A cidade, que vive do turismo, começou o projeto com medidas muito simples, como a instalação de lixeiras apropriadas e o oferecimento de cinzeiros artesanais, e já recolheu 2,2 milhões de bitucas em dois anos e meio.

Programa em Ilhabela (SP) transforma bitucas de cigarro em papel reciclado — Foto: Globo Repórter

No Rio de Janeiro, o repórter Rogério Coutinho conheceu o engenheiro ambiental Lucas Chiabi, que criou uma empresa que transforma lixo orgânico em adubo. Hoje, o negócio social formado por 23 pessoas trata o resíduo de mais de 3,5 mil famílias que apoiam a compostagem. A coleta é feita de bicicleta uma vez por semana.

Engenheiro ambiental recolhe resíduos em negócio social — Foto: Globo Repórter

Em Cascadura, na Zona Norte da cidade, o repórter mostrou a história da artista plástica Eduarda Samontezze, que construiu os móveis da casa onde mora com papelão e faz arte utilizando copos descartáveis. Diagnosticada com autismo, Eduarda viu na reciclagem uma forma de terapia.

Artista plástica transforma copos descartáveis em arte — Foto: Globo Repórter

Móvel feito de caixas de papelão — Foto: Globo Repórter

No Recife, a repórter Bianka Carvalho visitou um galpão que recebe eletrodomésticos e eletroeletrônicos usados e quebrados. O projeto reutiliza as peças para dar vida a novos produtos. Em 12 anos, 6,7 mil computadores foram doados, impactando o futuro de pessoas como as duas jovens estudantes que conseguiram ter aulas à distância depois que ganharam os computadores. Além disso, o projeto oferece cursos gratuitos de capacitação para pessoas de baixa renda que querem aprender sobre informática.

Peças de computadores velhos são reaproveitadas em projeto no Recife — Foto: Globo Repórter

Computadores montados a partir de peças reaproveitadas são doados a estudantes — Foto: Globo Repórter

E na cidade de Cabaceiras, na Paraíba conhecida como a Roliúde Nordestina, palco de mais de 50 produções, entre filmes e novelas —, Bianka encontrou a artesã Maria Clara, de 11 anos, que se incomodou com a quantidade de material que o pai desperdiçava na produção de calçados e decidiu dar um novo destino para os pedaços de couro que sobravam. Ela começou a fazer bijuteria e a vender para os amigos da escola. Um exemplo de sustentabilidade e educação financeira.

Maria Clara, de 11 anos, produz pulseira com sobras de couro — Foto: Globo Repórter

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »