Foi um baile da seleção brasileira contra a Celeste – 16/10/2021 – Juca Kfouri

amazon celulares maior Vision Art NEWS


Que a seleção brasileira é competitiva, pelo menos no seu quadrado na América do Sul, a campanha nas Eliminatórias já provava.

Só que era pouco e causava mais irritação, quando não sonolência, que felicidade.

E futebol sem alegria, rara leitora e raro leitor, é como dançar com o irmão, ou com a irmã.

Por mais que dançar seja, enfim, dançar, falta um algo mais, quando com o irmão ou com a irmã —e não é preciso explicar o quê.

Contra a Venezuela, o time nacional dançou com a irmã. E dançou mal, muito mal. Contra a Colômbia, também.

contra o Uruguai, a seleção não dançou com o irmão.

Mesmo na sauna manauara bailou do começo ao fim da festa na Arena da Amazônia.

O 4 a 1, que bem poderia ter sido 8 a 1 não fosse o goleiro Muslera, foi resultado de atuação exuberante de Neymar e do feitiço do novo bailarino Raphinha, sem medo de ser feliz, de ir para dentro do salão e dançar conforme a música.

O que parece ter motivado o maestro Neymar a tentar, e conseguir magistralmente, passos e passes arriscados, ao fazer a bola rolar agradecida.

Para não deixar a temperatura baixar, se é que alguém é capaz disso em Manaus, Tite fez bem em tirar Antony do sofá e convidá-lo para o minueto final.

O ex-são-paulino fez pela esquerda o que Raphinha fazia pela direita e por pouco a Celeste não pediu água, porque quando os garotos não infernizavam no ataque, apareciam na defesa como se algum malandro estivesse a importunar o bom andamento da exibição.

Quem for previdente dirá ser cedo para soltar rojões, no que terá razão, embora hora de criticar seja hora de criticar na mesmíssima medida em que hora de elogiar é hora de elogiar.

Neymar, por exemplo.

Por menos que alguns entendam, ninguém duvida do talento excepcional do craque do PSG —e ele o exibiu alegremente na goleada.

Nem se exige que jogo após jogo ele mantenha tão elevado o nível de seu futebol. Pede-se apenas que se concentre em fazer o que sabe, com maturidade, meio caminho andado para recuperar o prestígio perdido às margens do rio Sena.

Porque se aqui se temia mais um jogo com cara de Dormonid, falar mal da partida diante do Uruguai exigirá que se recomende Epocler ao responsável, para o fígado —e Neymar teve enorme participação nisso.

Da maneira como se deu, a 12ª jornada sem derrota para os vizinhos deve sim ser comemorada para estimular que venha a ser adotada como padrão, porque sí, se puede.

DOMINGO DE GALO

O domingo (17) deveria ser do clássico Palmeiras x Inter, mas não será, por mais que esteja em jogo a crise do alviverde decadente e a ambição colorada por vaga direta na Libertadores.

O domingo será antes de mais nada dos Atléticos, o Goianiense que recebe o Mineiro, às 18h15.

Jamais o time do Brasil Central teve tanta torcida como terá nesta noite, com toda Nação rubro-negra carioca a apoiar o rubro-negro goiano.

Será o exercício de secar antes para derrotar o Cuiabá depois, às 20h30, no Maracanã.

O mais provável é a manutenção dos 11 pontos que separam o líder do vice-líder, com dois jogos a menos, do Campeonato Brasileiro. Mas é óbvio que o torcedor do Flamengo tem mais motivos para acreditar num tropeço do Galo que o inverso.

Tropicar em Goiânia é possibilidade bem maior do que uma zebra cuiabana no Rio de Janeiro.

Ao que o torcedor do líder dirá: “Eu acredito!”.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

amazon computadores Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »