Explicado quem é o vilão de Ninguém Sai Vivo


Ninguém Sai Vivo tem tudo para se tornar o filme de terror mais assistido da Netflix – em pleno mês de Halloween. A produção conta uma história de tom claustrofóbico, marcada por ameaças sobrenaturais e temas importantes da vida real. Muitos espectadores não sabem, mas a entidade demoníaca no centro do longa é inspirada em uma figura importante da mitologia asteca.

Ninguém Sai Vivo acompanha a história de Ambar – vivida por Cristina Rodlo – uma jovem mexicana que embarca em uma difícil jornada em busca do Sonho Americano, após passar anos cuidando da mãe doente.

Publicidade

Não foi possível carregar anúncio

Após encontrar um subemprego em uma confecção, a protagonista consegue alugar o quarto mais barato em uma hospedaria dilapidada. Em sua primeira noite, Ambar começa a ouvir estranhos sons vindos dos outros quartos – e desconfia que algo terrível está escondido no porão da residência.

O longa revela que a hospedaria em questão é repleta de fantasmas de mulheres assassinadas violentamente e sacrificadas para uma misteriosa entidade. O site CinemaHolic explicou tudo sobre o monstro de Ninguém Sai Vivo e suas inspirações reais; confira abaixo.

O monstro bizarro de Ninguém Sai Vivo

Segundo o site CinemaHolic, o monstro de Ninguém Sai Vivo, na verdade, é a deusa asteca Itzpapalotl. Sua presença é introduzida no início do filme, por meio de uma caixa de pedra com misteriosas inscrições.

Nas primeiras cenas do longa, uma filmagem em preto e branco mostra que um time de escavadores encontrou a caixa nos anos 60, em meio às ruínas de um templo asteca.

Junto com a caixa, os escavadores encontram caveiras e ossos humanos, o que confirma que a entidade em questão era invocada com sacrifícios.

À medida que a trama do longa se desenvolve, a protagonista Ambar encontra gravações de um homem entoando cânticos em uma linguagem desconhecida, e dizendo que “o ritual deve ser feito com idosos, mulheres e crianças”.

No mesmo cômodo, Ambar descobre um livro intitulado “Rituais Mesoamericanos Primitivos”, que traz informações importantes sobre a caixa, os sacrifícios rituais e importância da deusa Itzpapalotl.

“Uma foto mostra Itzpapalotl, uma deusa guerreira esquelética, em Tamoanchan, o reino paradisíaco governado por ela”, comenta o site CinemaHolic.

Tamoanchan, na mitologia dos astecas, é um dos diversos reinos dos mortos. Nele, residem as almas de crianças que morreram na infância.

Na iconografia asteca, Itzpapalotl é ligada à mariposa Rothschildia Orizaba, da família Saturniidae – também conhecida como “borboleta obsidiana”. É por isso que Ninguém Sai Vivo traz diversas referências e ícones dos insetos.

Já no calendário dos astecas, Itzpapalotl é a deusa protetora do dia Cozcacuauhtli e da Casa Número 1 da Trecena. A figura mitológica também é um dos Tzitzimitl – demônios cósmicos que atacam o sol e criam eclipses.

Em Ninguém Sai Vivo, a caixa de pedra serve como uma espécie de portal para o reino de Tamoanchan, governado pela deusa.

Quando um sacrifício é oferecido a ela no altar, Itzpapalotl sai de dentro da caixa e devora a cabeça dos tributos. A deusa aparece como uma criatura monstruosa, que mistura aspectos de diversos insetos.

No final do filme, Ambar consegue matar Becker e oferecer Red como uma sacrifício para a deusa, tornando-se assim a nova sacerdotisa de Itzpapalotl.

Ninguém Sai Vivo está disponível na Netflix; confira abaixo a imagem mitológica de Itzpapalotl.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »
%d blogueiros gostam disto: