EUA consultará Apple e Google sobre dados financeiros de usuários


O órgão de defesa financeira do consumidor dos EUA solicitará para as big techs, incluindo Amazon, Facebook, Apple e Google, informações sobre os dados financeiros dos usuários. A ação visa ampliar a proteção dos consumidores e a competição do setor financeiro.

Segundo fontes da Reuters, o Consumer Financial Protection Bureau (CFPB) deve enviar às companhias um pedido de informações com 55 páginas sobre a coleta, o uso e a comercialização dos dados financeiros dos indivíduos.

“As perguntas do órgão darão atenção especial aos dados que as empresas estão coletando, como elas estão coletando e para que estão usando essas informações”, disse uma das fontes da agência de notícias.

Amazon, Apple, Facebook e Google terão que responder ao órgão americano.Amazon, Apple, Facebook e Google terão que responder ao órgão americano.Fonte:  FilePhoto/Reuters/Reprodução 

O pedido de consulta ocorre logo após Rohit Chopra assumir a direção do CFPB. Sempre duro com as big techs, o ex-representante democrata da Comissão Federal de Comércio construiu a carreira ao defender os direitos dos consumidores.

Nos EUA, o partido Democrata tem como uma das prioridades aumentar a concorrência no setor financeiro. Adotando o conceito “open banking”, os políticos exigem que as instituições financeiras deem aos indivíduos mais controle sobre seus dados.

Dessa forma, bancos e outras empresas devem permitir que as pessoas baixem dados sobre o histórico financeiro (saldo de contas, transferências e investimentos). O objetivo é facilitar para os consumidores a troca de fornecedores de serviços.

Informações da big tech complementarão o cadastro do open banking.Informações da big tech complementarão o cadastro do open banking.Fonte:  Karolina Grabowska/Pexels/Reprodução 

Como será a colaboração das big techs?

Segundo as fontes da Reuters, espera-se que as informações confidenciais das big tech ajudem a enriquecer o sistema open banking norte-americano. Contudo, a ação pode ter influência na criação de futuras regras do órgão regulador.

“Este movimento é um sinal claro de que esta gama ampla de empresas, que não são cobertas pelo CFPB e coletam dados financeiros dos indivíduos, podem estar sujeitas a futura regulamentação do open banking”, disse uma fonte à agência.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »