Entenda por que a Globo abriu mão da Libertadores e do Paulista – 30/09/2021 – Esporte


Com objetivo de reduzir despesas, a Globo deverá passar boa parte do primeiro semestre de 2022 com pouquíssimas exibições ao vivo de eventos esportivos em sua grade. Algo incomum para a emissora, presente em grande parte dos lares brasileiros aos domingos e às quartas-feiras de futebol.

O grupo carioca, depois de romper com a Conmebol e ver a Copa Libertadores e a Copa América migrarem para o SBT, acaba de perder o Campeonato Paulista para a Record. A emissora do bispo Edir Macedo não televisiona um confronto da competição desde 2005, algo feito simultaneamente com a Globo na época.

Em seu portfólio, a Globo tem garantidos para o ano que vem o Campeonato Brasileiro e a Copa do Brasil.

Embora seja a emissora que mais ostente estrutura e profissionais capacitados para realizar as transmissões, a empresa carioca segue ordens do seu departamento financeiro para reajustar suas finanças em relação à exibição de eventos esportivos.

A diminuição de receita com publicidade e o aumento de despesas fizeram a Globo registrar uma queda de 78% em seu lucro líquido em 2020, em relação ao ano anterior –de R$ 752,5 milhões para R$ 167,8 milhões.

A mudança de postura no mercado de direitos de transmissão não afetou somente o futebol. A emissora abriu mão da renovação com a F1 no final do ano passado e viu a Band garantir a modalidade até 2022. O produto fazia parte do portfólio do canal desde 1972 (de forma ininterrupta desde 1981).

Na concorrência pelo Paulista, a emissora seguiu a cartilha e não se esforçou nem para cobrir a segunda melhor proposta, a do SBT. A Record terá exclusividade na televisão aberta pelos próximos quatro anos, de 2022 a 2025.

“Temos enorme respeito e reconhecimento pela Federação Paulista de Futebol e pelo Paulistão e a certeza de que, ao longo dos anos, tanto a Globo como o futebol paulista se beneficiaram mutuamente desta parceria. Somos o maior parceiro e investidor do esporte e do futebol em especial no Brasil. Papel que desempenhamos há algumas décadas”, afirmou a Globo, em nota enviada à Folha.

“Nos últimos anos, vivemos um período de transição nos negócios no esporte e na mídia como um todo. A escalada dos valores dos direitos esportivos nos impôs uma revisão no investimento do portfólio de todas as janelas, com inúmeras decisões de investimento, sempre mirando a sustentabilidade dos negócios. Nos negócios nem sempre se conciliam possibilidades e expectativas. Foi o caso”, acrescentou.

A Record já detém os direitos do Estadual do Rio de Janeiro, que rompeu com a Globo em julho de 2020. A empresa também tem interesse nos estaduais de Minas Gerais e do Rio Grande do Sul.

Tradicional vitrine do Campeonato Paulista, conforme revelou o Painel, a Globo desembolsava R$ 225 milhões para ter a exclusividade em todas as mídias (TV aberta, paga e pay-per-view). A emissora não pretendia gastar nenhum centavo a mais, mas, por outro lado, também não abriria mão de nenhuma das opções de transmissão.

O acordo pelo estadual ficou distante quando a FPF anunciou em julho que o YouTube exibirá 16 partidas da edição de 2022, ao vivo –um jogo por rodada, um duelo pelas quartas de final, um da semifinal e as duas partidas da decisão.

O YouTube também terá conteúdo de todos os jogos da competição, como melhores momentos, curiosidades e entrevistas.

Além da concorrência pelo controle remoto, os grupos de mídia lidam com o mercado de streaming cada vez mais estruturado.

“O hábito de consumo de conteúdo digital cresceu muito em um curto espaço de tempo, ampliando assim o público disposto a consumir esse serviço e derrubando uma série de barreiras culturais que existiam”, diz Guilherme Figueiredo, da NSports, plataforma de streaming esportivo.

“A gente está vivendo um período de redistribuição nos conteúdos de futebol, seja o ao vivo ou o de entretenimento, como documentários e séries. Isso tem muito a ver com a chegada do streaming, que tem diminuído a força do modelo de distribuição em massa da TV aberta”, afirma Bruno Maia, da Feel The Match, especialista em inovação e novos negócios na indústria do esporte.

Para ele, a tendência é que a oferta de futebol na TV aberta diminua cada vez mais.

Ao fatiar os direitos de transmissão, as entidades e os clubes de futebol vislumbram novas e maiores receitas. Além da Record e do YouTube, a FPF ainda negocia a comercialização do pacote pay-per-view.

Este último item ainda é negociado pela Globo, porque ela depende do produto para manter ativa a comercialização dos seus pacotes Premiere do Campeonato Brasileiro, cuja assinatura mensal vai de R$ 49 a R$ 89 e inclui o estadual como um “bônus”.

A preocupação da Globo na TV aberta é como vai preencher as lacunas em sua programação, principalmente nos primeiros meses de 2022.

Na esteira dos cortes de gastos em razão da crise do coronavírus, a Globo rescindiu unilateralmente, em agosto do ano passado, o contrato com a Conmebol pela Copa Libertadores, que era válido até o final de 2022.

“Não é verdade que a TV Globo passará quase todo o primeiro semestre sem futebol. Os estaduais eram exibidos predominantemente aos domingos. As noites de quarta são dedicadas a competições nacionais como a Copa do Brasil e, a partir de abril, ainda na metade do semestre, já tem início o Campeonato Brasileiro”, afirmou a emissora.

“Além disso, entre janeiro e março, transmitiremos os últimos jogos da seleção brasileira nas Eliminatórias da Copa do Mundo de 2022. As emoções do futebol estão garantidas nos primeiros meses de 2022 na TV Globo e continuam no segundo semestre, com as decisões das principais competições nacionais e a disputa da Copa do Mundo”, acrescentou.

A Globo e o SporTV, seu braço esportivo em canal por assinatura, pagavam anualmente US$ 65 milhões pelos direitos de transmissão (R$ 353 milhões, no câmbio atual) da Libertadores.

Logo após o decreto da pandemia, a emissora alegou que sofria com a queda de receitas e solicitou uma renegociação de valores com a entidade que comanda o futebol na América do Sul, mas não houve acordo.

O desfecho não foi tão favorável para Globo, que apostava em um recuo da Conmebol e, consequentemente, em uma contraproposta. A rescisão unilateral causou perplexidade entre a cúpula da Conmebol, que não aceitou nova rodada de negociação com a emissora carioca e selou acordo com o SBT.

Nesse mesmo período, a Globo também tentou uma renegociação do contrato da Copa do Mundo de 2022 com a Fifa. Dessa vez, a empresa apelou à 6ª Vara Empresarial da Justiça do Rio de Janeiro para não pagar de forma imediata o valor de US$ 90 milhões (R$ 490 milhões, no câmbio atual) com vencimento em junho de 2020, referente a uma parcela do contrato de direitos de transmissão celebrado para o período de 2015 a 2022.

A Globo conseguiu a liminar, mas o caso deveria ser solucionado na Justiça da Suíça, onde fica a sede da Fifa. No entanto, o grupo de mídia e a entidade chegaram a um acordo comercial, e o processo foi arquivado.

Os termos desse acordo são confidenciais. Porém a Globo, que transmite a Copa do Mundo desde 1970, receosa de perder o produto, cedeu aos pedidos da entidade que controla, além do futebol, o futebol de areia e o futsal.

A emissora, de forma inédita, transmitiu ao vivo a participação do Brasil nos Mundiais dessas duas modalidades, sendo o futebol de areia em agosto e o de futsal neste mês.

O pacote pela Copa do Mundo também contempla os Mundiais feminino e das categorias de base, sub-17 e sub-20.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »
%d blogueiros gostam disto: