‘Enquanto ela viver, vou estar do lado dela’, diz mãe de criança trocada na maternidade, no DF | Distrito Federal


“Eu vou continuar amando ela. Enquanto eu viver e enquanto ela viver, eu vou estar do lado dela”, afirma a mãe.

A descoberta veio após Mariana assistir reportagem da TV Globo sobre a história de Geruza Ferreira, a dona de casa que descobriu, no ano passado, não ser a mãe biológica da menina que cria há sete anos (relembre abaixo). Ela conta que já desconfiava que a filha poderia ser trocada.

“Na hora que eu vi o horário que a minha filha nasceu e o horário que a outra nasceu, eu fiquei mais abalada ainda. Eu já não sabia pra quem ligar não sabia com quem contar. Eu chorava”, lembra Mariana.

A filha da Geruza e Mariana nasceram no dia 14 de maio de 2014, no Hospital Regional de Planaltina, com cinco minutos de diferença. As circunstâncias de como a troca ocorreu estão sendo investigadas pela 16ª Delegacia de Polícia.

Geruza foi a primeira a descobrir o caso. A filha dela foi fruto de uma relação que teve com um homem, entre 2010 e 2013. No fim da gestação, eles terminaram. O ex-companheiro registrou a criança e ajudou financeiramente nos primeiros anos, mas não manteve contato próximo com ela.

Em 2020, a dona de casa foi surpreendida com um processo, movido pelo homem, no qual pedia a exclusão do nome dele do registro da criança. O motivo: o pai havia feito um exame de DNA, que comprovou que a menina não era filha dele.

Posteriormente, Geruza fez outro teste, que comprovou não haver possibilidade de a menina ser filha biológica dela. Desde então, a dona de casa tinha certeza da troca de crianças no hospital e levou o caso à Justiça, exigindo pensão por parte do GDF.

'Objetivo é juntar, não separar', diz mãe após confirmação da troca de bebês no DF

‘Objetivo é juntar, não separar’, diz mãe após confirmação da troca de bebês no DF

Na semana passada, Mariana procurou a delegacia de Planaltina após descobrir o caso pela televisão. Para saber se houve a troca de bebês no hospital, o Instituto de DNA forense da Polícia Civil do Distrito Federal coletou o material genético das mães, das crianças e dos respectivos pais.

O resultado, divulgado na última quarta-feira (27), confirma: a criança que está com mariana é filha biológica de Gerusa e do ex-marido. Já a menina criada pela Geruza, é filha biológica da Mariana e também do ex-companheiro dela.

Mariana conta que já desconfiava não ser a mãe biológica, por não achar semelhanças. “Eu convivi com a dúvida”, conta.

“Só faltava o teste mesmo porque dentro de mim só falava: Sua filha foi trocada sim”, disse a mãe.

Após os exames, as duas mães se encontraram na delegacia. “Ela falou: ‘Obrigada por você criar a minha filha’. Eu: ‘Obrigado você’. Porque ela descobriu já tem tempo e eu descobri agora e ela continuou cuidando da menina, dando amor, com carinho””, diz Mariana.

“A melhor coisa é nós duas se unir pra continuar cuidando dessas duas princesinhas. Que vão crescer e serem amadas por duas mães”, afirma Mariana

As duas mães ainda não conheceram as filhas biológicas. Por enquanto, cada uma está com a menina que criou. O encontro só vai acontecer depois que as crianças forem preparadas com a ajuda de psicólogos.

Leia mais notícias sobre a região no g1 DF.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »