Embriões com predisposição a câncer devem ser descartados? – Notícias



A biópsia embrionária, procedimento divulgado pela modelo Bárbara Evans, 30, nas redes sociais, é feita para detectar alterações genéticas em embriões antes que sejam transferidos para o útero durante o tratamento de fertilização in vitro, conforme explica o ginecologista e obstetra Geraldo Caldeira, membro da SBRH (Sociedade Brasileira de Reprodução Humana). Segundo ele, o descarte de embriões com predisposição a doenças é recomendado, pois possuem grande chance de que elas se desenvolvam durante a vida.


“Quando se faz o estudo genético para detectar uma doença específica e ela é identificada, esses embriões não são utilizados, pois possuem grande chance de desenvolver a doença pesquisada”, explica Caldeira.


A modelo está se submetendo a um processo de fertilização in vitro para gerar seu primeiro filho com o empresário Gustavo Theodoro. Segundo ela, sete embriões passaram por biópsia embrionária e quatro deles foram descartados por terem apresentado indicação de predisposição à melanoma, tipo mais grave de câncer de pele.


O ginecologista explica que, pelo fato da mãe de Bárbara, a ex-modelo Monique Evans, 65, ter tido a doença, que dispõe de alta possibilidade de se disseminar para outros órgãos, segundo o Inca (Instituto Nacional de Câncer), a realização do estudo foi necessária para procurar genes específicos para melanoma. Esse tipo de tumor representa apenas 3% dos casos de câncer de pele no Brasil.


“No caso da Bárbara, ela tem histórico familiar. Sua mãe já teve melanoma e por isso fez o estudo genético, para ver síndromes e especificamente a presença desse gene”, diz Caldeira.


Segundo o ginecologista, caso uma alteração genética, como síndrome de down, seja detectada na biópsia, a chance de que seja desenvolvida é de 100%; nos casos de câncer, não é possível precisar a chance do desenvolvimento da doença ao longo da vida, mas o médico garante que a possibilidade é alta.





A biópsia, segundo Caldeira, é feita retirando do embrião 5 células da parte que formará a placenta. Após este processo, as células são analisadas a fim de detectar a presença de síndromes genéticas ou predisposição a alguns tipos de câncer. O estudo fica pronto em torno de 10 dias. Caldeira explica que o processo não é realizado em todos os tratamentos de fertilização in vitro pelo custo adicional.


“Esse estudo não é feito em todo mundo ainda pelo seu preço. Uma fertilização in vitro sem biópsia custa em média R$ 22 mil e, com o estudo, incluindo o congelamento do embrião e pesquisa genética, pode chegar a R$ 30 mil”, afirma Caldeira.


*Estagiário do R7 sob supervisão de Deborah Giannini

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »