Em briga com Flamengo, clubes divergem sobre carta com pedido para adiar rodada – 15/09/2021 – Esporte


A ameaça de 17 clubes da Série A do Campeonato Brasileiro de boicotar a rodada deste final de semana não encontra unanimidade entre os presidentes das equipes para se concretizar. As agremiações discordam do fato de o Flamengo ter presença de público liberada em seus jogos sem que elas possam ter também e buscam impedir que isso aconteça.

Segundo dirigentes ouvidos pela Folha, não há até o momento apetite para levar a medida adiante. A ideia de uma carta, assinada por quase todos os clubes da elite (sem Cuiabá e Flamengo), não convenceu a todos os cartolas, mas foi ventilada como instrumento de pressão sobre a CBF e o STJD (Superior Tribunal de Justiça Desportiva).

“Isso [a carta] é uma das piores coisas que poderia acontecer. Não haverá datas para realizar os jogos mais para frente, disse o presidente do Atlético-MG, Sérgio Coelho, à Folha. “Se o Flamengo jogar com público no domingo, a partir de segunda-feira o Atlético vai jogar também.”

Líder do Brasileiro, a agremiação mineira também conta com uma ação favorável nesse sentido.

“Temos uma decisão do STJD e a permissão da prefeitura [de Belo Horizonte], mas o Atlético vai respeitar a decisão do conselho arbitral, exceto se o Flamengo receber público”, diz o dirigente. “É preciso ter isonomia. Atlético-MG, Flamengo, Palmeiras, Red Bull e Fortaleza estão disputando o título, e o Flamengo não poderá ter condições mais fáceis.”

Além de estrangular o calendário, o adiamento de dez confrontos poderia trazer consequências comerciais –o time deixaria de jogar e, consequentemente, exibir seus patrocinadores– e insegurança jurídica.

Apesar da desistência, há um visível clima de guerra entre os dirigentes da Série A e a diretoria flamenguista.

O time carioca ignorou a decisão do conselho arbitral da CBF na qual os 19 times (incluindo o Cuiabá) votaram pela manutenção do veto ao torcedor nos estádios, enquanto não há o aval de autoridades sanitárias locais para todas as sedes da elite do Nacional em razão da pandemia da Covid-19.

Todos decidiram, então, acionar o STJD para tentar cassar a liminar concedida ao Flamengo que possibilita a abertura dos portões. O pedido foi negado. Otávio Noronha, presidente do tribunal, sustenta que não cabe ao órgão impedir a presença de torcedores nos estádios. Isso seria de responsabilidade das autoridades locais.

O clube rubro-negro alega que a permissão não compete à CBF e conseguiu o aval das autoridades do Rio de Janeiro para realizar três partidas no Maracanã entre esta quarta (15) e 29 deste mês –contra Grêmio, pela Copa do Brasil e pelo Brasileiro, e diante do Barcelona de Guayaquil (EQU) pela Libertadores.

Nesta tarde, em vez de carta para suspender a rodada, os cartolas apelaram novamente ao STJD. Desta vez o grupo contou com o pedido da CBF para derrubada da liminar favorável aos Flamengo. Segundo a entidade, “ela trará desequilíbrio à principal competição do futebol brasileiro”.

O assunto está com o relator Felipe Bevilacqua, e o julgamento está marcado para a próxima quinta-feira (23). Mas Bevilacqua pode deliberar sobre o assunto antes, dando procedência ao pedido dos clubes ou não.

Romildo Bolzan Júnior, presidente gremista, foi à sede da CBF para um almoço nesta quarta e pediu, informalmente, ajuda para Ednaldo Rodrigues, presidente interino da confederação. O mandatário do time gaúcho escutou do atual chefe da entidade que comanda o país que somente o STJD poderia resolver a situação.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »