Don Curro fecha as portas e marca fim da era de ouro dos restaurantes espanhóis em SP – 30/07/2021 – Restaurantes

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Quem faz uma busca rápida na internet pelo mais antigo restaurante espanhol da cidade de São Paulo, o Don Curro, encontra a informação de que ele está aberto de terça a domingo. Os clientes que vão até o endereço, na rua Oscar Freire, 439, porém, dão de cara com um imóvel em obras, sem sinal da cozinha que funcionava por ali.​

A casa, na verdade, fechou as portas há cerca de dois anos, após seis décadas de funcionamento. Problemas na gestão, que incluíam disputas familiares e dívidas, estão por trás do encerramento.

O tradicional endereço da velha guarda paulistana foi fundado em 1958 pelo toureiro espanhol Francisco Rios Dominguez, que se mudou para o Brasil com a mulher, Carmen Escalona García Rios. Estreou no bairro de Água Rasa, na zona leste, com o nome Marisqueria Playa Grande.

Em 1966, virou Don Curro, nome que o ex-toureiro usava nas arenas, e migrou para o casarão de 2.000 m² em Pinheiros que tornou o endereço célebre entre quem buscava paellas e jarras de sangria. Com as receitas de dona Carmen e a simpatia de Francisco, o restaurante logo ganhou fama e se tornou referência de cozinha espanhola na capital.

Mas, depois dos anos de glória, o negócio começou a perder clientela e a ter problemas financeiros. Nos anos 2000, ficou sob o comando de dois dos filhos do casal, José Maria e Rafael Rios. Segundo ex-funcionários ouvidos pela reportagem, os irmãos passaram a se desentender sobre a administração do Don Curro.

O racha familiar terminou na separação dos sócios, em 2015. Rafael abdicou de sua parte na gestão e passou a tocar, ao lado dos filhos, outro restaurante —o Aragon, também de cozinha ibérica e a nove quarteirões do casarão.

Na época, segundo os funcionários, José Maria teve problemas de saúde e transferiu a administração para a filha, Sabrina Rios. Ainda em 2015, ela assumiu a operação, que passou por transformações no ano seguinte. Entre elas, a venda do imóvel próprio em Pinheiros para uma incorporadora. A casa, no número 230 da rua Álvares Guimarães, continua desocupada e deve dar lugar a um prédio.

A cozinha se mudou então para um imóvel menor, na rua Oscar Freire, a 1,5 km dali. Para ficar mais moderninha, incluiu bar de tapas e happy hour. Também ganhou um complemento no nome —virou Don Curro a la Sabrina.

A repaginação, porém, não cativou o público, o que ajuda a explicar o acúmulo de dívidas do restaurante. O impasse culminou em um processo contra Sabrina Rios, a atual proprietária, movido pela Fogões Espanhóis, empresa que arrendou o espaço.

Segundo dados da ação, a empresa alegou que o aluguel, de R$ 30 mil mensais, estava atrasado e que outras taxas não haviam sido pagas entre 2017 e 2018 —a dívida total chega a R$ 1 milhão. Como resultado, o contrato foi rescindido em 2019, e Rios teve que desocupar o imóvel por decisão judicial. Procurada, a proprietária não retornou os contatos da reportagem.

Além disso, entre 2015 e 2020, foram encontrados ao menos 30 processos trabalhistas contra o restaurante. Eles envolvem, na maioria dos casos, remunerações de funcionários. Em um deles, Rios chegou a afirmar em depoimento que “se viu sem condições de arcar com a totalidade dos salários e verbas rescisórias”.

Em abril de 2019, o Don Curro fechou. Uma publicação no Instagram da casa dizia que o restaurante faria uma pausa e voltaria em breve. Passou a atender por delivery até dezembro daquele ano, data da última atualização no perfil.

Ainda hoje há clientes que vão ao local, mas dão meia-volta para casa. Alguns deles recorrem a sites como Reclame Aqui e TripAdvisor para se queixar da falta de informações.

Atualmente, o espaço está em reforma. Mas os equipamentos de cozinha dão lugar a lavatórios e secadores de cabelo —a partir de setembro, um estúdio de beleza, o Studio Lorena, passará a ocupar o ponto na Oscar Freire.

Com 400 m² e três andares, o imóvel abrigou no passado outros restaurantes que tampouco deram certo, como o espanhol Alma Maria, fechado em 2012, e o japonês ZSan, que durou oito meses, em 2016.

Enquanto isso, o futuro do Don Curro é incerto. Fechado, ele encerra uma era de ouro dos restaurantes espanhóis da cidade e deixa as suas paellas na memória paulistana.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »