Dia do Professor: docentes relatam experiências durante a pandemia – Notícias









No Dia do Professor, celebrado nesta sexta-feira (15), docentes da rede estadual de ensino no Estado de São Paulo compartilham os desafios enfrentados durante a crise sanitária, quando tiveram de exercer a criatividade nas atividades com os alunos no ensino remoto.


A professora Edmea Oliveira, da Escola Estadual Dom Agnelo Cardeal Rossi, localizada na zona sul da capital paulista, relata que durante o período da pandemia ela teve de superar outro desafio em sua vida. Diagnosticada com câncer de mama em 2018, a educadora passou, no ano seguinte, por uma cirurgia.









Em 2020, no fim de seu tratamento, ela continuou lecionando remotamente e montou em sua casa uma pequena sala de aula. Agora, em 2021, após um longo período sem contato com os alunos, ela retornou à escola.


A alfabetização passou a ser uma das maiores dificuldades educacionais da pandemia. Para não deixar nenhum aluno para trás, a professora Cláudia Ferreira, da Escola Estadual Brasílio Machado, na capital, imprimiu diversas atividades e as entregou aos pais. A educadora também criou uma sala de aula em sua garagem e gravou alguns vídeos para explicar a matéria.


O resultado de todo esse empenho foi ter mais de 90% da classe totalmente alfabetizada, mesmo no ensino remoto. Outra surpresa foi o fato de o pai de um aluno estrangeiro, que não falava português, também ter aprendido a língua portuguesa com os vídeos que a professora encaminhava.


Chuvisco, Zicão e Alfredo


Três personagens vividos pelo professor Dimas Luiz da Silva se tornaram parte da comunidade da Escola Estadual Professora Miquelina Cartolano, na pequena cidade de Lorena (SP).


Chuvisco e Zicão são irmãos que passaram a fazer parte das aulas mediadas por tecnologia e até mesmo de palestras de conscientização, como a prevenção ao câncer de próstata.  Já Alfredo é o pai dos dois. Muito participativo nas reuniões, ele ajuda os demais responsáveis a entender o dia a dia da unidade e as matérias que não existiam em sua época, como PV (Projeto de Vida) e as Eletivas.


A Seduc-SP (Secretaria de Educação do Estado de São Paulo) tem mais de 200 mil professores, dos quais mais de 160 mil atuam diretamente nas salas de aula. A grande maioria (71%) é composta de mulheres, ante 29% de homens. A média de idade varia apenas um ano: 45 para as mulheres e 44 para os homens. Já os profissionais de ambos os sexos que estão há mais tempo na rede atuam desde 1977 (44 anos), e os dois têm 73 anos de idade.








Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »