Conta de luz vira pesadelo para os donos de pequenos negócios – 18/09/2021 – Grana

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Em março deste ano, a conta de luz do petshop J.C. Banho e Tosa, no Butantã (zona oeste de São Paulo), era de R$ 350. Agora, o valor subiu para R$ 841, sem grandes alterações no movimento, mas por causa da nova bandeira tarifária na energia.

“O valor que cobramos não mudou, ainda é R$ 30 pelo banho de cachorro de porte médio, porém, tivemos que mudar muita coisa para continuar. O preço da conta de luz não está de brincadeira”, diz a empresária Beatriz Santos, 23 anos.

No início deste mês, com a seca, passou a valer a “bandeira tarifária escassez hídrica”, que cobra R$ 14,20 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos. Até então, a bandeira em vigor era a vermelha patamar 2, que custava R$ 9,492 a mais por 100 kWh consumidos.

No petshop, a solução encontrada para economizar energia foi diminuir ao máximo as luzes acesas e reduzir o uso de aparelhos com maior voltagem. “A gente usa um aspirador e um secador. Tentamos intercalar, usando primeiro o assoprador e, só depois, ligamos o secador para finalizar, porque ele é 220 V”, diz Beatriz, que passou a usar água morna em vez de quente.

A cozinheira Sonia Lisa Schwartz, 52, trabalhou por mais de 25 anos como designer quando decidiu que era hora de buscar novos desafios. Ela fez um curso técnico de cozinha, onde aprendeu técnicas de finanças e gestão de negócios, antes de começar a produzir geleias caseiras e, depois, pratos especiais que são vendidos no condomínio onde mora, no Campo Limpo (zona sul).

“Era outono, ainda estava frio e comecei com caldos e sopas. Investi em dois caldeirões e mais alguns utensílios.”

Com o crescimento dos pedidos, ela ampliou o negócio. “Comecei uma produção de tortas salgadas, panquecas, escondidinhos e lasanhas. Tudo ia bem, tanto que investi em um processador e um pequeno freezer.” No início de 2021, ela se separou e, ao voltar a morar sozinha, o consumo de energia elétrica diminuiu, mas ela notou que a conta não seguia a mesma linha.

“Com os recorrentes aumentos nas tarifas, tomei algumas atitudes para economizar ainda mais. Resolvi trocar algumas lâmpadas por de menor potência. Se preciso, só a luz da cozinha fica acesa. Cheguei a um patamar de consumo que não consigo mais baixar.”

Na primeira onda de alta da energia, Sonia passou a fazer tortas e decidiu comprar um forno elétrico para aumentar em 50% a produção. Mesmo usando pouco dias o novo forno, ela notou que podia ser um risco para os lucros. “Usei ele durante quatro dias no mês passado, por cerca de três horas, e minha conta aumentou 14% em kWh”, diz.

“Com mais um aumento na tarifa, fica inviável usar o forno, pelo menos por enquanto. Agora, estou correndo atrás de fazer uma adaptação nele e ver se consigo assar mais tortas na mesma fornada”, conta.

Aumentar o preço do produto para pagar a conta de luz é uma decisão que a cozinheira evita tomar para não perder clientes. “Reajustando os valores as vendas caem. Experimentei isso da última vez. Reajustei em média uns 5% e minhas vendas caíram mais de 10%. O que me vem à mente nesse momento é procurar receitas que consumam menos energia possível, sem forno, batedeira ou processador.”



O que me vem à mente nesse momento é procurar receitas que consumam menos energia possível, sem forno, batedeira ou processador.

Reestruturar o cardápio para se adequar à realidade da crise hídrica não é tarefa prazerosa para Sonia. “Estou estudando possibilidades, mas isso gera um desconforto tremendo, pois quando estou consolidando clientes que gostam daquele sabor, sou obrigada a mudar. Isso pode parecer bom, mas nem sempre é”, diz a cozinheira.

Em Parelheiros (zona sul), a confeiteira Laysla Alves Soares, 20 anos, faz bolos de pote e notou que a conta de luz era um dos gargalos do seu negócio em ascensão.

Com o retorno do investimento inicial, ela comprou um liquidificador. “Uso o forno normal, mas uso muito a bateria e o liquidificador. Para economizar, comecei a fazer bolos em grandes quantidades e congelar.”

Ela diz que a medida reduz em 30% o consumo de gás de cozinha e o uso de eletrodomésticos. “Com toda essa incerteza, se tiver que aumentar o preço, vou prejudicar a mim e aos meus clientes”, afirma ela.

Para o diretor-técnico do Dieese (Departamento Intersindical de Estatística e Estudos Socioeconômicos), José Silvestre, os relatos mostram o cenário do retorno da inflação. “A crise hídrica já era anunciada desde o começo do ano e o governo não tomou providências. Junto com os combustíveis e o gás, a tarifa de energia é um insumo importante dos setores produtivos. Esses aumentos seguidos, nos meses recentes, atingem mais a população de baixa renda e o consumo na sequência. Assim vai retardar ainda mais a retomada da atividade econômica”, disse Silvestre.

​Crise hídrica | Bolso do consumidor

  • Com a maior seca da história dos últimos 91 anos e sem planejamento federal adequado, pequenos negócios estão sendo atingidos pela crise hídrica
  • Está em vigor a chamada bandeira tarifária de escassez hídrica, uma cobrança adicional criada para custear o acionamento das usinas térmicas diante da falta de água das hidrelétricas

Valor extra

  • Até o início de setembro, estava valendo a bandeira vermelha patamar 2, que acrescenta R$ 9,492 a cada 100 kWh (quilowatts-hora) consumidos
  • Neste mês, o valor é de R$ 14,20 a cada 100 quilowatts-hora consumidos

Entenda a falta de energia

  • A principal matriz energética do Brasil são as hidrelétricas, que dependem de grandes reservatórios de água para mover as turbinas que geram energia
  • Em períodos de seca, o nível de água nos reservatórios das hidrelétricas diminui

Por que está caro?

  • O governo diz que não consegue gerar a quantidade necessária de energia nas hidrelétricas e, para suprir a demanda, está produzindo com maior custo em usinas termelétricas
  • As térmicas geram energia a partir de combustíveis fósseis, como diesel e gás, e, além de mais poluentes, são mais caras

Sem chuva

  • O registro de chuvas nas principais bacias hidrográficas segue entre os mais críticos do histórico do SIN (Sistema Interligado Nacional)

Até quando?

  • A previsão do governo é que a tarifa extra seja cobrada até abril de 2022, mas já foi indicado que pode não haver data-final para a cobrança até que tenhamos chuvas suficientes

Empreendedores

  • Quem tem pequenos comércios ou trabalha de casa precisa reavaliar o plano de negócio para se adequar à nova realidade do custo de energia

Dicas para economizar cada centavo

  • Use o chuveiro de forma racional; os banhos devem ser de até cinco minutos e em temperatura morna
  • Mantenha os filtros do ar-condicionado limpos e reduza ao máximo seu tempo de utilização
  • Deixe a porta da geladeira aberta somente o tempo que for necessário; regule a temperatura interna de acordo com o manual de instruções
  • Nunca coloque alimentos quentes na geladeira
  • Junte o maior número possível de roupas para passar de uma só vez e comece por aquelas que exigem menor temperatura


Fontes: Enel e Aneel (Agência Nacional de Energia Elétrica)​

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »