Condenado por corrupção, ex-chefe do atletismo mundial Lamine Diack morre aos 88 anos – Esportes

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Por Diadie Ba

DACAR (Reuters) – Lamine Diack, ex-chefe da federação internacional de atletismo que foi condenado por corrupção no ano passado, morreu em casa, no Senegal, nesta sexta-feira, aos 88 anos, disse seu filho.

Diack liderou a Associação Internacional das Federações de Atletismo (Iaaf) de 1999 a 2015, tornando-o uma das pessoas mais poderosas do atletismo mundial. Mas ele foi mais tarde considerado culpado de dirigir um grupo que encobriu o doping russo em troca de milhões de dólares em subornos.

Um tribunal francês o condenou a quatro anos de prisão em 2020, mas ele nunca foi preso. Ele permaneceu em prisão domiciliar na França e mais tarde foi libertado sob fiança, permitindo que ele voltasse ao Senegal.

Diack também foi acusado de vender votos ao Rio de Janeiro na disputa pelo direito de sediar os Jogos Olímpicos de 2016.

“Ele morreu em casa por volta das 2h da manhã de uma morte natural”, disse seu filho, Papa Massata Diack, à Reuters.

Os advogados de Diack haviam dito anteriormente que ele estava com saúde precária e que morreria na cadeia se fosse condenado.

Nascido em Dacar, capital do Senegal, Diack frequentou a universidade na França, onde foi campeão de salto em distância nos anos 1950. Posteriormente, ele treinou futebol no Senegal e ajudou a administrar a seleção nacional, o que lhe permitiu a transição para a política.

Diack foi prefeito de Dacar de 1978-1980, e mais tarde foi vice-presidente sênior da Assembleia Nacional do Senegal.

Como presidente da Iaaf, ele foi considerado culpado de solicitar subornos no total de 3,45 milhões de euros de atletas suspeitos de doping para encobrir os resultados dos testes e deixá-los continuar competindo, inclusive nos Jogos Olímpicos de Londres 2012.

Ele pagou a outros funcionários da Iaaf para ajudar com a cobertura, e também aceitou dinheiro russo para ajudar a financiar a campanha presidencial de 2012 do líder senegalês Macky Sall, segundo o tribunal.

O filho de Diack, Papa Massata, estava no centro do escândalo ao seu lado, mas fugiu para o Senegal e foi julgado à revelia. Ele recebeu uma sentença de 5 anos de prisão no ano passado, que seus advogados disseram que iriam recorrer.

Investigadores franceses disseram que Papa Massata esteve no centro de uma investigação de corrupção que durou anos, abrangendo a Europa, Ásia e Américas, que incluiu a concessão dos Jogos Olímpicos de 2020 a Tóquio e dos Jogos de 2016 ao Rio de Janeiro.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »