Cleo traz clássicos musicais em vozes da nova geração em ‘Me Tira da Mira’ – 02/04/2022 – Música

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


São Paulo

Como um personagem do elenco principal, a trilha sonora é essencial para o resultado final de “Me Tira da Mira”, comédia de Hsu Chien que estreou nos cinemas em 24 de março. Por conta disso, nada mais justo que ela fosse lançada em formato de álbum, mesmo que apenas digital, pelas plataformas de streaming.

Dividido em duas partes –a primeira lançada na última quarta-feira (30) e a segunda prevista para quinta-feira (7)–, e com uma versão Deluxe, o trabalho homônimo do filme foi uma ideia que surgiu antes mesmo das filmagens. “Sempre que pensávamos em fazer o filme, pensávamos em criar a trilha original”, conta Cleo, 39.

A atriz protagoniza o longa ao lado do irmão Fiuk, 31, e do pai Fábio Jr., 68, e também assina a produção do trabalho musical. “O roteiro nasceu e foi guiando a gente”, afirma Diego Timbó, produtor executivo e diretor artístico do álbum. “Neste filme temos 85 músicas, contando com trilha incidental [música de cena ou de fundo] e trilha de músicas. Num filme comum, quando se tem muita música, são cerca de 30”.

Ambos contam que a seleção musical do filme foi criada a partir de uma coletânea de vida, ou seja, um acoplado do que escutaram a vida inteira. “Foi uma junção de referências”, diz Timbó. “Esse filme é uma grande mistura de gêneros, de elenco e de trilha”.

O projeto é composto por 12 faixas, sendo 4 regravações de clássicos da música brasileira nas vozes de cantores da nova geração. São elas “Gayana”, de Caetano Veloso (por Johnny Hooker e Leticia Hally); “A Loba”, de Alcione (adicionada à voz de Pabllo Vittar); “Preciso Encontrar”, de Cartola (aqui, interpretada por Elza Soares e Negra Li); e “Alma Gêmea”, de Fábio Jr., desta vez como um pagode pela voz de Dilsinho.

As duas últimas músicas, inclusive, foram eleitas as favoritas de Cleo em todo o álbum. “Consumimos coisas muito ecléticas”, diz ela, explicando a diversidade de ritmos. “‘Preciso me Encontrar’, por exemplo, é a canção da minha vida e eu sempre sonhei ouvir a Elza cantando essa música”.

“Ela topou gravar na hora, amou o arranjo e se viu ali”, relembra Timbó. “Isso foi muito especial. E foi a última música que ela gravou em estúdio, no dia 14 de dezembro. No dia que ela faleceu [20 de fevereiro de 2022], a gente se uniu e resolveu criar um verso novo da Negra Li, como uma homenagem”.

Também chama a atenção a quantidade de artistas convidados para as gravações: foram 28, no total, pertencentes a variados ritmos e gêneros. Para além dos já citados, marcam presença Xamã, Thiaguinho, Vitão e Zaac, bem como artistas internacionais.

“Todo mundo se empenhou muito, mas tivemos um problema de tempo. Acabou não sendo fácil”, relembra Cleo, contando que todo o trabalho foi resolvido em apenas cinco meses, e que grande parte dos convites foi feito diretamente por ela.

Timbó, inclusive, brinca com a dedicação excessiva de Cleo para com o álbum. “É tinhosa”, ri. “Ela mesma foi pedir [a participação do] Thiaguinho, lá em Salvador. Ela chegou ao final do show e falou: ‘Thiaguinho, pelo amor de Deus, vai fazer nossa trilha, vai ser incrível”.

Algumas faixas, como “Me tira da Mira”, “A Loba”, “Deixe-me Ir”, “Sadomasoquismo” e “Gostei”, ainda terão videoclipes exclusivos, que deverão sair depois da segunda parte do álbum. Se destaca aqui o clipe da música “Preciso Me Encontrar”, com Elza Soares e Negra Li, no qual será utilizada a tecnologia 3D.

“Foi uma responsabilidade muito grande. A Elza foi uma cantora muito importante para o Brasil e para a gente. Marcou todas as gerações e conta a história da música brasileira em sua discografia”, conta Timbó. “E os clipes são uma extensão do filme. Eternizam ele”. Para Cleo, os clipes complementam as músicas e os personagens.

No filme, ela dá vida à Roberta, uma agente secreta em busca de respostas para a morte da atriz Antuérpia Fox (Vera Fischer). Além do pai e do irmão, a atriz contracena com Viih Tube, Gkay, Mel Maia, Kaysar Dadour, Cris Vianna, Sérgio Guizé, Silvero Pereira, Júlia Rabello e Bruna Ciocca. E se depender da protagonista, “vai ser tipo filme do Vin Diesel, que tem quase dez continuações”.



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »