CIA fez planos para sequestro e assassinato de Julian Assange – 26/09/2021 – Nelson de Sá


Em extensa reportagem, com a ilustração abaixo, o site Yahoo News detalha a “guerra secreta da CIA contra o WikiLeaks”, em especial os planos para “sequestro e assassinato” de seu fundador, Julian Assange.

Os planos, que falavam em envenenamento, surgiram em 2017, depois do vazamento e divulgação do chamado Vault 7, “a maior perda de documentos da história da CIA”, segundo a própria agência.

Ouvindo mais de 30 ex-agentes, a reportagem é assinada, entre outros, por Michael Isikoff, o mesmo que levantou o escândalo Monica Lewinsky —e foi proibido de publicá-lo na Newsweek.

Ele descreve a ação da CIA como “uma guerra total contra o WikiLeaks” ordenada pelo ex-diretor da agência e ex-secretário de Estado Mike Pompeo. Que não avançou porque o Departamento de Estado optou pela estratégia jurídica.

Embora concentrado no governo Donald Trump, o texto anota que “a idea de sequestrar Assange precedeu a chegada de Pompeo a Langley”, sede da CIA. Ou seja, veio do governo Barack Obama.

MAIS EMAILS DE HUNTER BIDEN

O Business Insider publicou emails em que Hunter Biden, filho de Joe, vice de Barack Obama na época, “pede US$ 2 milhões anuais mais taxa por êxito” para ajudar a liberar ativos da Líbia congelados nos EUA.

Colunista do New York Times, o conservador Ross Douthat ressaltou a reportagem ao perguntar, em título: “Joe Biden pode se recuperar?”, listando ainda o impacto da variante delta e o Afegaistão.

Douthat escreve que, diante da notícia, “as decisões do Twitter e do Facebook, de censurar a versão do NY Post sobre os emails de Hunter Biden [envolvendo Ucrânia e China, antes da eleição de 2020], pareciam partidárias na época; agora parecem coisa pior”.

REFORÇO DE BILHÕES

Com foto de fábrica da Pfizer, o Drudge Report manchetou ao longo do fim de semana dois despachos da Associated Press, “Empresas de medicamentos entram no dinheiro com reforço” e “Israel: eficácia da vacina se esvai após cinco meses“.

O portal, que noticiou o caso Lewinsky quando ele foi suprimido em 1998, voltou a ressaltar notícias que a imprensa americana evita.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »