Carlinhos Brown, Larissa Luz e Criolo exaltam música do gueto em show em Salvador – Lineup

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Um show para exaltar a música feita por pretos e celebrar o Mês da Consciência Negra movimentou esta sexta (26) em Salvador. “Pra viver e sentir o poder da música negra brasileira. Um passeio por ritmos e canções que vão te balançar. Sim, você, pode dançar”, anunciou o músico baiano antes de, ao lado de Larissa Luz, entoar “Alguém me Avisou”, de Dona Ivonne Lara.

Brown e Larissa foram os músicos anfitriões com Rafa Dias, do grupo Àttøøxxá, que receberam no palco da Concha Acústica do Teatro Castro Alves outros tantos nomes no espetáculo Encontros Tropicais: Frequências do Gueto, que reuniu um público de cerca de 1.500 pessoas na capital baiana.

O time de artistas que subiu ao palco foi potente e capaz de fazer uma performance bonita e emocionante. O rapper Criolo, DJ Dan Dan, a atriz e cantora Jéssica Ellen, Banda Didá e talentos novos também periféricos como WD, participante do The Voice Brasil,  a rapper Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada revisitaram décadas de sonoridade com samba, soul, rap, pagode e funk.

“É muito importante contextualizar que os guetos devolvem ao Brasil talvez o que o Brasil não esperava”, diz Carlinhos Brown em entrevista. E assim foi por pouco mais de duas horas desses artistas no palco, um show de representatividade e temas importantes exaltados.

“A música brasileira é essencialmente negra, então é muito difícil fazer um apanhado disso tudo em um resumo de duas horas”, afirmou Larissa Luz. “Mas eu curti os recortes porque de uma forma geral a gente trouxe algo bem relevante. Acho que são momentos importantes politicamente e musicalmente da nossa história, do povo negro brasileiro.”

Foram três blocos temáticos apresentados pela atriz Nara Gil, que deu vida à DJ Afroblack, em referência à personagem DJ Black Boy do seriado brasileiro da década de 1980 “Armação Ilimitada”.

O samba foi o ponto de partida. Carlinhos Brown e Larissa Luz cantaram temas clássicos do ritmo bem brasileiro e de origem marginalizada. “Alguém me Avisou” e “Sonho Meu”, de Dona Ivone, “Enredo do Meu Samba”, de Jorge Aragão, e “Zé do Caroço”, de Leci Brandão foram algumas das músicas que ganharam releitura.

A segunda parte do show migrou para a black music dos anos 1970 e 1980, com o soul, a disco e sons eletrônicos que tomaram as pistas de dança. Cassiano, Tim Maia e Jorge Ben Jor foram foram lembrados. Neste momento do show, a convidada Jéssica Ellen participou com Larissa Luz em “Nem Vem que Não Tem”, emendando versos de “Coleção”, de Cassiano.

criolo Vision Art NEWS
Criolo (centro) acompanhado por dançarinos em show intitulado Encontros Tropicais: Frequências do Gueto, realizado na Concha Acústica, em Salvador, pela Devassa (Ricardo Cardoso – 26.nov.2021/Divulgação)

Brown ao cantar “A Namorada” trouxe o debate das relações homoafetivas. “O casamento homoafetivo é realidade. E Você não precisa ser gay para ser a favor do outro”, diz. “A namorada tem namorada, mas o namorado também tem namorado”, ressaltou. Na sequeência, deu espaço na sequência para o jovem cantor WD, participante do The Voice Brasil. Com sua música “Eu Sou”, ele passa a mensagem de amor próprio, especialmente para pessoas negras.

“Além de uma releitura desses clássicos, o show traz discurso, corpo, vivência e traz a periferia para o centro, a história do gueto para o centro”, afirma Larissa Luz.

Já o terceiro e último bloco desembarcou nos anos 1990 e trouxe temas mais atuais, dando espaço a uma série de ritmos: funk carioca, pagode, rap, trap e afrobeats. Surgiram no cenário os convidados Criolo, DJ Dan Dan, Banda Didá e novos talentos como Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada, que foram convidados por Devassa na série “Criatividade Tropical: Abre as Portas para o Gueto” para uma música gravada com Iza, a “Na Atividade”.

O trio Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada soltaram a voz em “Rap do Silva” e Rap da Felicidade”, além de “Na Atividade”, música em parceria com Iza e fruto da série “Criatividade Tropical: Abre as Portas para o Gueto”, projeto também da Devassa.

Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada (esq. p/dir) em show intitulado Encontros Tropicais: Frequências do Gueto, realizado na Concha Acústica, em Salvador, pela Devassa (Ricardo Cardoso - 26.nov.2021/Divulgação)
Stefanie, Lukinhas e Rafa Porrada (esq. p/dir) em show intitulado Encontros Tropicais: Frequências do Gueto, realizado na Concha Acústica, em Salvador, pela Devassa (Ricardo Cardoso – 26.nov.2021/Divulgação)

A iniciativa de um grande show é vista com ânimo pelos artistas. “Toda a ação que é na direção de exaltar o poder, a história, a cultura do povo preto e elevar a autoestima desse povo é libertador e ao mesmo tempo coloca o nosso povo em outro lugar”, diz Larissa Luz em entrevista ao Lineup no camarim após o show.

“Dá uma sensação de aquilombamento, de união, de pertencimento. A consciência da potência que a gente é quando a gente se junta me emociona muito. Não existe outro caminho para a gente vencer isso tudo a não ser se juntando”, afirma a cantora baiana, mas que vive em São Paulo.

A rapper Stefanie se emocionou ao falar da ocasião em entrevista antes do evento. “Todos reunidos aqui mostra que a gente tem força, que a gente não desistiu e que não vai desistir. Eu sou uma mulher preta, mãe e que canta rap. Eu passei muita coisa para chegar até aqui e eu consegui.”

“Isso é muito imporatnte. Esse tipo de evento já acontece nas favelas, nas periferias. Mas com essa visibilidade, com apoio de uma grande marca, ainda é raro”, afirma Jéssica Ellen.

O jornalista viajou a convite da Devassa

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEPTAR
Aviso de cookies
Translate »