‘Car Wash’ reaparece, mas ‘braço longo’ dos EUA agora está em revisão – 05/10/2021 – Nelson de Sá


Na terça, 5 de outubro de 2021, na home do Wall Street Journal, “Petrobras conclui acordo sobre suborno com Departamento de Justiça dos EUA”.

Explica o jornal americano que “a Petrobras foi o centro de um escândalo que eclodiu em 2014, quando procuradores anunciaram uma investigação, conhecida como ‘Car Wash’, sobre um cartel de empresas de construção que estava superfaturando a Petrobras e subornando políticos”.

No mesmo dia, a Foreign Affairs, veículo do establishment de política externa dos EUA, publicou ensaio destacando “As armadilhas na condução da política externa dos EUA por meio dos tribunais”, em casos de “suborno”.

Alerta que “levar a concorrência com a China para os tribunais levanta preocupação”, por exemplo, dada a “perspectiva de retaliação”, citando a “resposta” à prisão da executiva da Huawei, Meng Wanzhou, recém-libertada.

“Se parecer que o Departamento de Justiça está mirando seletivamente as empresas chinesas, os tribunais podem dar crédito às reclamações de violação constitucional”, acrescenta.

Propõe que, “em última análise, Biden precisa pesar se e quando os tribunais dos EUA devem ser empregados para resolver o que é, sobretudo, questão de política externa”.

DERROTA DO BRAÇO LONGO

Antes da Foreign Affairs, os chineses Guancha e Global Times deram entrevistas na mesma linha. No primeiro, com um professor da Universidade Renmin, “Incidente de Meng Wanzhou foi primeira derrota da jurisdição de braço longo da Justiça dos EUA”.

No segundo, “Caso Meng deve frear a jurisdição de braço longo dos EUA, diz ex-executivo da Alstom”, que foi preso em episódio parecido com a empresa francesa, em 2013.

NENHUM AMERICANO

No site da organização de política externa Atlantic Council, de Washington, artigo de seu vice sugere que “Pandora Papers deveriam revigorar esforço anticorrupção de Biden”, por se ligarem “a muitos dos objetivos centrais que estabeleceu para os EUA no mundo”.

Já o editor do chinês Global Times arrisca que “por trás desses papéis estão as agências de inteligência dos EUA, criando novas ferramentas para intervenção nos países em desenvolvimento”.

No mapa acima, da organização que coordenou a divulgação, ICIJ, de Washington, nenhum dos 336 políticos citados é americano.


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.



Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »
%d blogueiros gostam disto: