Boric corre riscos se a nova Constituição do Chile não for aprovada, diz analista – 21/12/2021 – Mundo

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


O governo de Gabriel Boric ainda não começou, mas seu primeiro problema político está claro: como fazer para que a Assembleia Constituinte chegue a um acordo pela moderação e, com isso, tenha a Carta aprovada no plebiscito do ano que vem. Se isso não ocorrer, diz o sociólogo Eugenio Tironi, a gestão do esquerdista estará comprometida já no primeiro ano.

Porém, para Tironi, a opção do ultradireitista José Antonio Kast deixará de existir. “Ele está desinflando e voltará a ser uma figura política menor”, antevê, por ter forçado a direita democrática a retroceder e, agora, derrotada, ter de passar por um processo de autocrítica e reconstrução.

O sociólogo, que participou da campanha pelo “não” no plebiscito que colocou fim à ditadura de Augusto Pinochet (1973-1990) (a opção “não” era pela saída do general) e da área de comunicação do governo do ex-presidente Ricardo Lagos (2000-2006), conversou com a Folha, em Santiago.

Leia, abaixo, os principais trechos da entrevista.​

Qual fator explica melhor a vitória de Gabriel Boric nesta eleição? O principal foi a entrada de uma parcela importante de jovens na institucionalidade de nossa sociedade. De camadas médias e populares, bem formados e comprometidos com a agenda deste século, a ecologia, a diversidade e os direitos humanos. Que já eram a agenda da juventude, mas que agora se traduzem em votos, em cidadãos que quiseram sair de casa para participar, essa é uma mudança enorme em nossa cultura política.

Haverá um “kastismo” depois desta votação? Ou a figura de Kast tende a desinflar? Eu acredito que vá desinflar. Já está desinflando. Pode continuar na política, mas voltará a ser aquela figura pequena, que teve 8% dos votos nas eleições de 2017. Isso porque a direita democrática e a centro-direita chilena haviam avançado muito, feito muito esforço para se afastar do legado de Pinochet, para se modernizar com relação a direitos civis, para se mostrar preocupada com os direitos humanos, para não ser mais identificada com projetos autoritários.

E agora vai se dar conta do erro que foi, de repente, com um gesto rápido, abrir mão de todo esse esforço. Jogá-lo todo no lixo para se abraçar a uma figura messiânica e antiquada. Isso vai custar caro, os partidos da aliança direitista vão se fragmentar, vão ser necessários uma autocrítica e um processo de cura. E, neste processo, vão renegar e isolar Kast.

Ano que vem será também o ano da Constituinte. Teremos plebiscito, e a nova Carta pode ser aceita ou rejeitada. Como isso vai impactar a gestão Boric? A Assembleia Constituinte vai ser muito central para o novo governo. Hoje temos um grupo grande de legisladores ali que estão cumprindo uma função panfletária e não pragmática. Estão na Constituinte para dar visibilidade, para fortalecer uma causa. E isso não é funcional para a redação da Carta. Se esse grupo for mais forte do que o grupo pragmático, a Constituição pode ser rejeitada. E, se isso acontecer, será um tiro na asa de Boric, pode significar o fim de seu governo.

Para Boric, que é tão identificado com o processo constitucional, é indispensável que se chegue a um acordo pela moderação na Constituinte. Que o plebiscito de aprovação seja um mero trâmite, facilmente aprovado, e não uma disputa polarizada, muito menos com uma derrota.

E o que ele, pessoalmente, pode fazer para que isso ocorra? Boric terá de fazer algo, mas não pode intervir no processo, que é soberano e independente. Precisará convencer as forças que o apoiam que orientem seus legisladores para que busquem a moderação e o acordo. Este processo já se inicia agora, quando se escolhe o substituto de Elisa Loncón [há eleição para uma nova mesa de direção da Assembleia Nacional no próximo dia 4 de janeiro]. Até agora, ele esteve preocupado com sua própria campanha, agora, seu projeto tem de ter a Constituinte entre suas prioridades. Se houver uma derrota no plebiscito, vai ser como uma derrota pessoal de Boric.

A Constituinte deve preocupá-lo mais do que a divisão do Congresso, então? Sim, porque Boric se formou no Parlamento e tem mais traquejo para lidar com a questão legislativa. Além disso, é preciso lembrar que a direita irá se fragmentar ainda mais. Então, a própria ideia de que o Congresso está empatado vai ser colocada em xeque. Os partidos de direita e centro-direita irão se descolar da união provocada pela necessidade de apoiar Kast, muitos vão querer se descolar dessa figura mais que outros, e então Boric terá esses votos para seus projetos de reforma. Evitar que a Constituinte saia mal será uma tarefa mais dura para Boric do que negociar com o Congresso.

Em sua opinião, qual será o legado de Sebastián Piñera no fim de seu mandato? Creio que ele vá ser mais bem avaliado pela história do que está sendo avaliado agora. Seu grande trunfo terá sido a vacinação e o enfrentamento da pandemia. Mas é preciso destacar que não respondeu aos protestos de 2019 de modo autoritário, negociou, abriu espaço para a Assembleia Constituinte.

E ficará marcado também o fato de ter passado a faixa presidencial ao presidente mais jovem da história do Chile. Ricardo Lagos ficou emocionado ao passar a faixa para Michelle Bachelet, a primeira presidente mulher da história do Chile. Tenho certeza de que Piñera ficou aliviado de Boric ter ganhado e vai ficar emocionado ao passar a faixa para ele. E será muito bom para sua imagem nacional e internacional, tão desgastada.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »