Bitcoin: cidade será aquecida com calor gerado na mineração


Nesta semana, o site CoinDesk relatou um curioso caso sobre o Bitcoin, tratando-se mais especificamente de sua mineração. Segundo a fonte, a mineradora MintGreen, especializada em tecnologia limpa, está trabalhando com a Lonsdale Energy Corp. para reaproveitar o calor gerado na produção de novas criptomoedas e aquecer uma pequena cidade chamada North Vancouver, na província Colúmbia Britânica, Canadá.

Esperada para 2022, a fonte de calor substituirá a emissão de quase 20 mil toneladas métricas de gás-estufa na atmosfera, oriundos de gases naturais utilizados em equipamentos de aquecimento tradicionais. Com temperaturas variando entre 0 ºC e 25 ºC, a solução térmica certamente será muito bem recebida pelos habitantes da cidade canadense — além de incentivar medidas ecossustentáveis.

O feito será alcançado através do boiler proprietário da MintGreen, capaz de reaproveitar até 96% da energia usada no processo de mineração do Bitcoin como calor, que pode ser utilizado para aquecer tanto a comunidade ou em processos industriais da cidade.

Fazendas de mineração de Bitcoin costumam gerar uma abundante de calor, que pode ser reaproveitado em processos sustentáveis. (Fonte: Business Insider / Reprodução)Fazendas de mineração de Bitcoin costumam gerar uma abundante de calor, que pode ser reaproveitado em processos sustentáveis. (Fonte: Business Insider / Reprodução)Fonte:  Business Insider 

Segundo o CEO da MintGreen, Colin Sullivan, o calor “capturado” será distribuído para a população através de equipamentos de aquecimento de água, chamados na cidade de “Energia Distrital”, em tradução direta para o português. Felizmente, North Vancouver possui centenas destes utilitários, que se beneficiarão do processo de mineração por alguns anos de fornecimento, conforme estabelece o contrato firmado com a empresa.

Apesar de não ser exatamente uma novidade, esta é a primeira vez que o reaproveitamento do calor gerado na mineração de bitcoins é realizado em larga escala. Conforme sugere o CEO da MintGreen, a estreia da solução não deve tardar além do inverno de 2022.

Resta aguardar o resultado da empreitada para conferir sua eficácia — que certamente pode aliviar as críticas quanto a sustentabilidade do Bitcoin. Com o banimento total da mineração e negociação de criptomoedas na China, que antes abrigava 75% de todos os mineradores da rede, é possível que este formato de negócio seja realocado para países mais favoráveis.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »