autor de livro diz o que faltou nos filmes


Ullisses Campbell, autor do livro “Suzane: assassina e manipuladora”, apontou quais cenas importantes no caso de Suzane von Richthofen ficaram de fora nos filmes “A Menina que Matou os Pais” e “O Menino que Matou os Meus Pais”, da Amazon Prime.

Em publicação no jornal O Globo, Ullisses afirma que as tramas poderiam se tornar “mais eletrizantes” se não fossem presas somente às versões apresentadas por Suzane e Daniel Cravinhos nos tribunais.

O autor destaca que os filmes dirigidos por Maurício Eça poderiam dar mais espaço para a apuração dos policiais, além de também utilizar depoimentos de Andreas, irmão de Suzane, e Rinalva de Almeida Lira, empregada da casa.

Reação de Suzane ao ser informada sobre mortes

“Segundo relato do policial, nesse momento, ela amarra o cabelo num coque, arregaça as mangas e pergunta sem derramar uma única lágrima quais providências ela deveria tomar imediatamente”, aponta Ullisses sobre a reação de Suzane ao saber da morte dos pais Manfred e Marisia.

Para ele, a cena relatada por Alexandre Paulino Boto é importante para relatar a personalidade da personagem principal dos filmes.

Confissão de Suzane

Ullisses lembra que, segundo os investigadores, Suzane assumiu ter mandado matar os pais por ser uma “pessoa horrorosa”. Segundo o relato, ela só admitiu ter cometido o crime após saber que Daniel Cravinhos confessou anteriormente.

Investigadores recebidos durante festa

O autor do livro destacou que Suzane fez uma festa para comemorar o aniversário de 19 anos no mesmo dia em que o aconteceu o enterro dos pais Manfred e Marisia.

Segundo os investigadores, Suzane os recebeu usando um biquíni, com um cigarro e uma lata de cerveja em mãos. Ela teria apresentado o local como se fosse uma guia turística, o que também seria interessante retratar nos longas.

Vida na prisão

Os relacionamentos de Suzane von Richthofen após a prisão também poderiam render bons ganchos, diz Ullisses Campbell, que lembrou os relacionamentos com Sandra Ruiz e Rogério Olberg.

Filmes sobre o caso de Suzane von Richthofen

Em 2002, Suzane von Richthofen arquitetou o assassinato dos próprios pais com o namorado, Daniel Cravinhos, e o cunhado, Cristian Cravinhos. Os dois filmes são baseados no caso que está prestes a completar 19 anos. Os filmes mostram as versões dos depoimentos oficiais de Suzane e Daniel.

Carla Diaz, responsável por interpretar a protagonista, disse em conversa com Splash ter sido bastante desafiador interpretar uma pessoa real e que precisou se afastar do próprio julgamento para poder vivê-la.

Leonardo Bittencourt interpretou Daniel, namorado de Suzane e um dos autores do crime. Em entrevista à Splash, o ator disse que se baseou nos documentos do processo e, assim, criou o personagem e até tirou foto na cena do crime.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »