Atafona, distrito do RJ que vem sendo engolido pelo mar, serve de alerta para erosão costeira – 13/11/2021 – Ambiente


Se os escafandristas imaginados por Chico Buarque explorassem o mar de Atafona, lá encontrariam fragmentos de cartas, poemas, mentiras, retratos e vestígios de uma civilização que, em parte, deixou de existir. Assim como a cidade submersa narrada na música “Futuros Amantes”, o distrito de São João da Barra, no Norte Fluminense, e suas memórias têm sido engolidos pela água.

Desde a década de 1960, o avanço do mar já causou a destruição de mais de 500 casas, desabrigando centenas de famílias. Dezenas de quarteirões foram para o fundo do oceano.

Apegados a Atafona, muitos moradores já trocaram de residência algumas vezes para fugir do mar, sem nunca deixar a pequena comunidade. Para eles, as perdas afetivas são mais dolorosas do que as materiais: há lugares que marcaram suas vidas para os quais nunca poderão voltar.

A erosão costeira é explicada por uma série de motivos, mas o principal é o assoreamento do rio Paraíba do Sul, que tem seu delta (tipo de foz em que o rio desemboca no mar por meio de vários canais) em Atafona.

Com cerca de 7.000 habitantes, o distrito é uma espécie de laboratório das consequências da intervenção humana em um ecossistema. Isso porque o assoreamento do rio foi causado especialmente por desvios de água para abastecimento doméstico, industrial e agrícola em São Paulo e no Rio de Janeiro.

Com menor volume, o Paraíba do Sul não consegue fazer frente ao mar e transportar sedimentos em quantidade suficiente para barrar o avanço das águas em Atafona. Também contribuem para o processo condições naturais, como a dinâmica das correntes marítimas e os fortes ventos na localidade.

Atafona é apenas uma entre tantas regiões litorâneas que sofrem com a erosão costeira em todo o mundo. Diante das mudanças climáticas e do aumento no nível dos oceanos, o cenário pode piorar nas próximas décadas.

O geógrafo Eduardo Bulhões, professor na UFF (Universidade Federal Fluminense), lembra que uma pesquisa identificou que somente 4% de todas as regiões litorâneas no mundo erodem em taxas superiores a cinco metros por ano. Atafona é um desses lugares. Nas áreas mais críticas, o mar avança cerca de seis metros por ano. Em alguns períodos, o avanço chegou a nove metros.

“A erosão só se torna um problema quando há uma cidade instalada. Nesse contexto, Atafona talvez seja o principal ponto do país”, diz.

O severo processo de erosão que ali ocorre contrasta com a tranquilidade do local, onde a vida se desenrola em um ritmo mais devagar, não se veem edifícios e não se ouvem buzinas. É comum que os moradores se conheçam. Foi assim que a reportagem chegou à casa da aposentada Sonia Ferreira, 77, uma referência na comunidade.

Acostumados a passar verões em Atafona, Sonia e sua família compraram uma casa ali no fim da década de 1970. À época, alguns quarteirões separavam a construção da praia. Hoje, a residência está de frente para o mar.

Em frente à casa de Sonia estão as ruínas do conhecido prédio do Julinho, o único que havia na região, derrubado pelas ondas em 2008. “Foi um impacto muito grande. A gente sempre tem aquela esperança de que não vai chegar na nossa casa”, diz.

Quando o mar destruiu seu muro, em 2019, Sonia aceitou que precisava se mudar. A aposentada decidiu ir para uma pequena casa nos fundos do terreno e, aos poucos, vem retirando seus pertences.

“Atafona era um lugar de férias, passeio, alegria. Perder isso é difícil. Você tem seus cantinhos na casa que te remetem a pessoas queridas. Esses cantinhos ficam perdidos na sua história.”

O prédio do Julinho também é citado como uma das melhores memórias da empresária Camila Hissa, 31, filha dos fundadores do restaurante Ricardinho, o mais famoso em Atafona. “Era um lugar icônico, tinha o barzinho que vendia uma empada deliciosa com um cheiro peculiar. É o resumo da infância”, diz.​

Seus pais fundaram o restaurante em 1978 e tiveram que mudá-lo de lugar três vezes para fugir do avanço do mar. “Quem é daqui aprendeu a conviver. Não é uma coisa que você se revolta e larga tudo, vai embora.”

Camila relata que os restaurantes e pescadores foram muito impactados pelas dificuldades de navegação com o assoreamento do rio. Há cerca de três anos houve um período tão crítico que os barcos não conseguiam desembarcar o peixe em Atafona.

O pescador Valcinei Bento, 52, lembra que nessa época os barcos só trabalhavam com a maré cheia. “Foi um inferno. A gente chegava na beira dos frigoríficos e era uma zona fantasma”, afirma.

Apesar das perdas financeiras, Camila diz que as perdas emocionais são as piores. “Aquela história foi simplesmente apagada. Era uma época na qual a fotografia era muito cara. As fotos são raras”, afirma.

No início do ano, um projeto interativo conhecido como Museu Ambulante levou para as ruas uma enorme bicicleta com fotografias antigas de Atafona. O acervo e a iniciativa foram desenvolvidos pela residência artística CasaDuna, fundada pela filósofa Julia Naidin e pelo artista plástico Fernando Codeço.

Codeço diz que a reação da comunidade foi impressionante e que muitos moradores se identificaram nas fotos, quando ainda eram crianças. “As pessoas imediatamente se emocionavam, queriam contar histórias”, diz.

Ele afirma que a CasaDuna quer contribuir para a produção de memória local e também discutir sobre a forma predatória com a qual lidamos com o meio ambiente. “Falar de Atafona é falar desse Brasil que está ruindo e de um processo civilizatório que precisa mudar.”

Algumas das fotos que mais chamaram a atenção foram as da Ilha da Convivência, primeiro lugar atingido pelo avanço do mar. Ao longo de décadas, as famílias de pescadores que lá viviam foram obrigadas a deixar o local, onde hoje ninguém vive.

Uma das últimas a abandonar a ilha, em setembro de 2008, Jamira Pedra Gomes, 58, resistiu por décadas, mesmo após perder duas casas. Ela lembra que no dia de sua saída acordou de madrugada com o mar batendo nas paredes. “Eu falei ‘me ajuda, Deus’. Espera esfriar minhas pernas, que não vou botar minhas pernas quentes do cobertor nessa água fria”, diz.

Da 1h às 8h, Jamira carregou sozinha todos os seus pertences. No dia seguinte, as paredes caíram. Sua irmã, Janira Pedra Monteiro, 60, se mudou da ilha anos antes. Quando o mar entrou em sua casa, ela deixou que tudo fosse levado. “A gente fica cansada. O mar tinha tomado quatro casas minhas”, afirma.

Décadas após a mudança, as irmãs voltaram de barco à ilha acompanhadas pela reportagem. Janira diz que sente falta de andar de canoa, pescar manjuba, pegar caranguejo e fazer redes de pesca. “Eu penso [na ilha], eu quase nem durmo de noite. Essa noite pensei tanto naquele lugar, nas pessoas que se foram.”

Jamira se emociona ainda mais —chegando na ilha, chorou e apontou para o lugar onde foi dona de um bar. “Eu queria envelhecer lá. Eu gosto tanto que dá vontade de ficar”, diz.

Ela conta que a saudade se transformou em uma depressão. “Eu vivo do trabalho. Gosto de estar andando com as pessoas, conversando, para me distrair.”

Os distúrbios psíquicos são citados pelo psicólogo Leandro Viana como uma das consequências do processo erosivo na vida dos moradores.

Finalizando uma tese de doutorado pela Uenf (Universidade Estadual do Norte Fluminense) sobre Atafona, ele afirma que muitos relatam sentir angústia e ansiedade por estarem sempre em alerta para o movimento do mar. Também causa sofrimento a espera por uma solução.

“Os pescadores falam muito da Ilha da Convivência, um lugar de muita troca e solidariedade. Ao perder esse lugar, perdeu-se isso também”, diz.

Nos últimos seis anos, foram realizadas audiências para tratar do tema com a sociedade civil, o Ministério Público Federal e a Defensoria Pública. Três soluções foram apresentadas, mas nenhuma saiu do papel.

A resolução esbarra em ao menos três pontos: a falta de articulação entre os poderes municipal, estadual e federal, o custo das obras e a insegurança a respeito de seus efeitos ambientais. Em primeiro lugar, é preciso obter uma licença com o Inea (Instituto Estadual do Ambiente).

“União, estados e municípios têm responsabilidade de zelar pelo ecossistema da praia. Como as responsabilidades e o interesse são difusos, ninguém se sente na obrigação de resolver. Por outro lado, qualquer obra de aumento da faixa de praia leva tempo”, afirma o geógrafo Eduardo Bulhões, autor de um dos projetos.

A proposta de Bulhões envolve o engordamento artificial da praia para inverter o déficit de areia. Ele avalia que qualquer solução que se proponha como definitiva, com o uso de estruturas rígidas como os espigões, é enganosa.

“Em todos os lugares onde se criaram proteções com estruturas foram gerados problemas adicionais, e todas as obras têm tempo de vida útil”, diz.

O geógrafo afirma que uma das opções que podem ser adotadas é a de não fazer nada, mas que mesmo assim precisa haver um planejamento e informação da população. “Acho que em Atafona houve essa opção, de vários governos, e isso não é comunicado de forma eficiente.”

O professor da Unifesp (Universidade Federal de São Paulo) Gilberto Pessanha, que estuda o caso de Atafona há 20 anos, afirma que mesmo o engordamento artificial requer monitoramento das ondas e dos ventos. Isso envolve tecnologia, pessoal e mais recursos.

“Existe uma dúvida porque há locais onde houve iniciativa de engordamento de praia e o processo erosivo voltou”, diz.

Secretária de Meio Ambiente de São João da Barra, Marcela Toledo afirma que o impacto das obras ainda não foi amplamente estudado. Ela diz que o Inea indicou, em 2020, que nenhum dos projetos tem eficácia comprovada. De fato, o órgão citou questões a serem trabalhadas, mas nenhum deles foi avaliado negativamente.

Em setembro deste ano, foi criada uma Câmara Técnica com a Prefeitura e entidades da sociedade para continuar discutindo a situação e pensar em possíveis soluções. Toledo defende, também, que as ações precisam passar pela União, que, de acordo com a Constituição Federal, é dona das praias.

Em nota enviada à Folha, a Secretaria de Coordenação e Governança do Patrimônio da União afirma que os encaminhamentos necessários competem à administração municipal. O governo federal argumenta que o Estatuto das Cidades deu aos municípios a capacidade jurídica de gestão das superfícies das cidades.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »