Tecnologia

Animao suspensa para viagens espaciais pode ser impossvel

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Espao

Redação do Site Inovação Tecnológica – 29/04/2022

Anima

Se voc sonha em viajar para as estrelas, melhor trabalhar para mudar o que sabemos sobre a biologia ou o espao-tempo.
[Imagem: Raphal Jeanneret/Pixabay]

Animao suspensa

As notcias no so boas para os fs de fico cientfica: Os humanos podero nunca ser capazes de sobreviver em animao suspensa durante longas viagens pelo espao.

A animao suspensa prope uma espcie de pausa na vida fisiolgica, usando tecnologias – que ainda no existem – para desacelerar radicalmente os processos fisiolgicos vitais, sem levar morte. Isto permitiria que um ser humano “interrompesse” sua vida ao sair da Terra, e s voltasse a viver, com a mesma idade e as mesmas condies fsicas, centenas de anos depois, quando sua nave chegasse a outro sistema planetrio.

Isso seria necessrio porque, segundo as teorias de Einstein, nada pode viajar mais rpido do que a velocidade da luz, e as outras estrelas esto longe demais de ns, o que tornaria as viagens mais longas do que a expectativa atual de vida de um ser humano. Assim, a alternativa animao suspensa tambm envolve fico, no sentido de se contrapor ao conhecimento cientfico vigente.

Como, at agora, os cientistas no conseguiram demonstrar que Einstein estava errado, Roberto Nespolo e seus colegas das universidades Austral e Catlica do Chile decidiram investigar se os humanos poderiam hibernar como os ursos, permitindo-nos cochilar durante as viagens pelo espao que devero durar mais do que uma vida.

Infelizmente, a concluso que improvvel que a tcnica de hibernao funcione para os humanos porque no economizaramos energia suficiente durante a hibernao.

Anima

A equipe estudou quase todos os mamferos que hibernam.
[Imagem: Roberto F. Nespolo et al. – 10.1098/rspb.2022.0456]

Por que humanos no hibernam?

A equipe analisou o metabolismo durante a hibernao em uma srie de mamferos, de morcegos a ursos, e descobriu que um grama (1g) de tecido em um morcego tem um metabolismo semelhante a 1g de tecido em um urso, ambos durante a hibernao, apesar de um urso ser cerca de 20.000 vezes maior.

Estimando o provvel metabolismo de um ser humano hibernando, com base em nossa prpria massa, eles constataram que economizamos mais energia dormindo do que economizaramos se estivssemos hibernando.

Em seu estudo, a equipe utilizou dois conceitos fundamentais: A taxa metablica basal (BMR: Basal Metabolic Rate), que a quantidade calrica que o corpo necessita, em vinte e quatro horas, para manter-se nutrido, e o gasto energtico dirio de hibernao (DEEH: daily energy expenditure of hibernation), este extrapolado dos animais que hibernam para os seres humanos.

“Dado que a taxa metablica dos animais ativos escala alometricamente [de acordo com o tamanho do corpo], o ponto onde essas curvas de escala se cruzam com o DEEH representa a massa onde a economia de energia por hibernao zero. Para a BMR, essa economia zero alcanada para um relativamente pequeno urso (aproximadamente 75 kg).

“Calculado por clula, o poder metablico celular de hibernao foi estimado em 1,3 x 10-12 2,6 x 10-13 W/clula, que inferior ao metabolismo mnimo de clulas isoladas de mamferos, o que corrobora a ideia da existncia de um metabolismo mnimo que permite s clulas sobreviver sob uma combinao de frio e hipxia,” concluiu a equipe.

Mas, se lhe serve de consolo, a Agncia Espacial Europeia tem bancado estudos sobre a hibernao de astronautas.

Bibliografia:

Artigo: Why bears hibernate? Redefining the scaling energetics of hibernation
Autores: Roberto F. Nespolo, Carlos Mejias, Francisco Bozinovic
Revista: Proceedings of the Royal Society B
Vol.: 289, Issue 1973
DOI: 10.1098/rspb.2022.0456

Seguir Site Inovação Tecnológica no Google Notícias

Outras notcias sobre:

Mais tópicos

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEPTAR
Aviso de cookies
Translate »