América-MG, Fortaleza e Bragantino buscam o improvável na Libertadores – 19/03/2022 – O Mundo É uma Bola

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS


Daqui a alguns dias, na sexta-feira (25), a Libertadores, o mais importante interclubes da América do Sul, definirá os confrontos da sua fase de grupos.

Dos oito clubes que representarão o Brasil, três são estreantes. É a maior quantidade de novatos que o país tem em uma edição da competição continental, disputada desde 1960.

Bragantino, Fortaleza –que entraram direto nos grupos, via Campeonato Brasileiro– e América-MG –que avançou bravamente depois de eliminar, em disputas de pênaltis, o Guaraní (Paraguai) e o Barcelona (Equador)– certamente estão felizes só de participar pela primeira vez.

Mas será que algum deles sonha ganhar a Libertadores?

Estar na equatoriana Guayaquil, no final do ano, disputando a decisão do torneio?

Erguer o cobiçado troféu, como já fizeram São Paulo, Palmeiras, Santos, Grêmio (três vezes cada um), Cruzeiro, Flamengo, Internacional (duas vezes), Corinthians, Vasco e Atlético-MG (uma vez)?

Nenhuma dessas três equipes debutantes é favorita, bem longe disso –as principais apostas em brasileiros são no Palmeiras (atual bicampeão), no Flamengo e no Atlético-MG (atual campeão brasileiro)–, porém só não tem chance quem não está no bolo.

É difícil para um estreante, seja do Brasil ou não, faturar a Libertadores? Muito. É raro? Muitíssimo.

Excluindo a edição inicial, na qual todos os participantes jogaram a competição pela primeira vez, com o uruguaio Peñarol saindo vitorioso, apenas em quatro ocasiões um estreante venceu a Libertadores, realizada neste ano pela 63ª vez.

Dois deles, brasileiros. Os outros dois, argentinos.

O Santos de Pelé e companhia sagrou-se campeão em 1962, superando na decisão o bicampeão Peñarol. O Flamengo de Zico e companhia ficou com a taça em 1981 ao derrotar o chileno Cobreloa.

Em 1968, o Estudiantes bateu o Palmeiras de Ademir da Guia, Baldocchi e Servílio; em 1985, o Argentinos Juniors superou o colombiano América de Cali.

Todas essas decisões, curiosamente, tiveram três jogos. Cada time precisou da chamada “negra” para suplantar o adversário –à época o regulamento era diferente, prevendo esse jogo de desempate. Atualmente, o campeão é definido em jogo único.

É possível afirmar que a dificuldade hoje para se sagrar campeão da Libertadores, estando nela, é maior do que nos primórdios da competição.

Menciono “estando nela” porque antes era tarefa hercúlea estar na Libertadores.

Quando o Santos ganhou, só um time de cada país, o então campeão nacional, participava. Agora, pululam vagas. O Brasil classificou nove clubes –restam oito porque o Fluminense caiu precocemente.

Só que nos anos 1960 o caminho até o título era mais curto. O Santos ganhou em 1962 atuando nove vezes, com seis vitórias, dois empates e uma derrota.

Para ser campeão (ou vice) neste ano, a equipe que larga na fase de grupos (Palmeiras, Corinthians, Atlético-MG, Athletico-PR, Flamengo, Fortaleza e Bragantino são os brasileiros nessa condição) jogará 13 partidas.

Se o América-MG, que disputou duas etapas preliminares, chegar à decisão, terá atuado até lá 15 vezes.

Um longo percurso, que, se percorrido com sucesso, fará do Coelho o campeão estreante mais sensacional da história.

Improvável? Totalmente. Mas o futebol tem suas surpresas. Quem sabe o América (ou o Bragantino, ou o Fortaleza) não seja uma delas?


LINK PRESENTE: Gostou deste texto? Assinante pode liberar cinco acessos gratuitos de qualquer link por dia. Basta clicar no F azul abaixo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original

1548234083 file be0b03d8 Vision Art NEWS

Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »