África tem de assumir a liderança na fuga de capitais – 20/11/2021 – Mercado


Os Pandora Papers, o maior esforço de investigação até agora realizado para ajudar a elucidar o mundo dos serviços financeiros offshore, mostram quão sério é o desafio dos fluxos financeiros ilícitos para África. Os documentos revelam que muitos africanos proeminentes detêm ativos nos principais centros financeiros no estrangeiro com a ajuda de facilitadores profissionais que lhes fornecem sigilo, garantem a proteção dos ativos e garantem isenções fiscais.

A investigação também demonstrou que esses serviços offshore não se limitam aos paraísos fiscais mais conhecidos. Os intervenientes internacionais de normalização contabilística como os Estados Unidos e o Reino Unido (diretamente e através dos seus territórios ultramarinos) mostraram-se importantes intervenientes financeiros em operações offshore, ilustrando a hipocrisia subjacente às discussões sobre reformas na última década. E os Pandora Papers contêm mais provas de que os centros financeiros asiáticos também se tornaram importantes intervenientes em operações offshore, ressaltando a natureza global do problema.

Algumas iniciativas africanas demonstraram uma liderança inicial na avaliação do problema e no desenvolvimento de potenciais soluções. O Fórum Africano das Administrações Tributárias, que foi criado em 2008 e inclui 38 estados africanos, tem sido um ator notável em questões de reforma tributária. O Painel de Alto Nível sobre Fluxos Financeiros Ilícitos em África, um esforço conjunto da União Africana e da Comissão Econômica das Nações Unidas para África, reuniu-se pela primeira vez em 2012 e produziu um relatório que foi motivo de muita discussão em 2015. Naquela altura, parecia que os serviços financeiros offshore seriam uma parte regular das discussões da União Africana. Infelizmente, isso está a desaparecer da agenda.


Nos últimos anos, a liderança na luta contra a evasão fiscal parece ter migrado para organizações internacionais como a Conferência das Nações Unidas sobre Comércio e Desenvolvimento e a OCDE, que lançou o seu programa sobre transparência tributária em África, em 2014. No próprio continente, os meios de comunicação independentes estão a desempenhar um papel mais importante: os Pandora Papers envolveram 53 jornalistas africanos que trabalham em 18 países, muitas vezes em condições extremamente difíceis. Organizações da sociedade civil, como a Tax Justice Network Africa, também participam ativamente neste campo de ação. Mas os governos africanos e as organizações internacionais situadas em África abstiveram-se de iniciativas importantes.

Como resultado, não há nenhum organismo multilateral africano a assumir a liderança nesta questão difícil e as organizações africanas que estavam a trabalhar nisso ativamente, há cinco anos, assumiram o que só pode ser descrito como um perfil discreto. É difícil evitar a sensação de que muitos dos ricos e poderosos do continente têm pouco incentivo para colocar em risco os acordos que lhes permitiram movimentar, esconder e proteger os seus bens. Além disso, os respetivos advogados e consultores financeiros salientam que muitas dessas práticas não só são legais, como também são comuns entre as multinacionais ativas em África, principalmente nas indústrias extrativas. Nessa lógica, não há motivo para os africanos não se aproveitarem das estratégias difundidas no sistema financeiro global.

Esta falta de preocupação dos estados africanos com o financiamento ilícito é reforçada pela percepção de que na maioria dos países, na maioria das vezes, a evasão fiscal não é uma questão que indique ter parecer público. Na melhor das hipóteses, os líderes presumem que qualquer efeito que a questão tenha sobre a confiança pública pode ser gerida. Estão certamente errados, especialmente em relação aos eleitores mais jovens, mas essa visão molda a sua abordagem evasiva.

O papel das organizações externas e dos atores da sociedade civil africana no combate à evasão fiscal de natureza offshore é bem-vindo. Mas a falta de iniciativa dos governos africanos nesta questão é lamentável. É preocupante que a ausência de uma resposta africana robusta e coletiva convide desconhecidos a moldar o processo de reforma de uma forma que muito provavelmente continuará a favorecer as principais potências industriais. Esta tendência já é visível na forma como a denúncia e divulgação dos paraísos fiscais invariavelmente visa microestados e ignora importantes encorajadores de fluxos financeiros ilícitos, como os EUA e o Reino Unido.

Embora alguns estados africanos nunca estejam na vanguarda dos esforços de reforma nesta área, aqueles que foram vitimizados por esses fluxos têm de erguer as suas vozes e trabalhar juntos para impulsionar uma ação mundial. Os esforços atuais incluem a Rede Parlamentar Africana sobre Fluxos Financeiros Ilícitos e Tributação, que tem representantes de 11 países. Outras organizações que desempenharam um papel importante anteriormente, como a União Africana e a Comissão Econômica da ONU para África, também poderiam revigorar o seu compromisso. Os esforços multilaterais, tais como a Zona de Comércio Livre Continental Africana, que atualmente está a ganhar forma com um forte apoio intergovernamental, poderiam ser usados como veículos para padronizar as regras fiscais e evitar uma “corrida para o fundo” para atrair investimento estrangeiro direto.

Os fluxos financeiros ilícitos despojam violentamente os governos dos recursos de que precisam para fornecer os bens públicos – educação, cuidados de saúde e infraestruturas de comércio e comunicações – que são essenciais para o crescimento econômico e a prosperidade a longo prazo. O interesse de África em travar este problema é tão óbvio como a necessidade de haver liderança africana para fazê-lo.

Fonte: Acesse Aqui o Link da Matéria Original



Deixe um comentário

Este site usa cookies para que você tenha a melhor experiência do usuário. Se continuar a navegar, dará o seu consentimento para a aceitação dos referidos cookies e da nossa política de cookies , clique no link para obter mais informações. CONFIRA AQUI

ACEITAR
Aviso de cookies
Translate »